Mundo

Parentes do opositor russo Navalny dizem desconhecer seu paradeiro

Navalny, de 47 anos, foi detido em janeiro de 2021

Alexei Navalny. Foto: K. Kudrayavtsev/AFP
Apoie Siga-nos no

Parentes do opositor russo Alexei Navalny, condenado a 19 anos de reclusão, disseram nesta segunda-feira 11 que tentam há cerca de uma semana, sem sucesso, entrar em contato e que desconhecem seu paradeiro.

Os advogados dele foram na sexta-feira e nesta na segunda em “duas colônias penais na região de Vladimir (leste de Moscou), onde Alexei Navalny poderia estar”, mas foram informados de “que (ele) não estava ali”, disse sua porta-voz, Kira Iarmich.

Uma das prisões indicou que o opositor “já não aparece em seus registros”, recusando-se a dizer “para onde foi transferido”, escreveu Iarmich na rede social X.

“Ainda não sabemos onde está Alexei”, afirmou ela.

O opositor não participou de uma audiência judicial à qual deveria comparecer por videoconferência, devido a um problema elétrico, segundo as autoridades.

“Eles estão rindo de nós”, pontuou a porta-voz.

Navalny estava detido na região de Vladimir até o momento. Depois de uma nova pena de 19 anos de prisão por “extremismo” em agosto, precisou ser transferido para uma prisão de “regime especial”.

Na Rússia, as transferências de uma penitenciária para outra requerem, muitas vezes, semanas de viagens em comboio, em várias etapas, e as famílias dos prisioneiros permanecem sem notícias durante o processo.

As prisões de “regime especial”, ou seja, penitenciárias com as condições mais rígidas do sistema carcerário russo, estão frequentemente localizadas em regiões muito isoladas.

Navalny, de 47 anos, foi detido em janeiro de 2021 e está há quase três anos recluso em presídios com condições de detenção mais ou menos estritas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.