Papa Francisco se manifesta contra qualquer intervenção externa na Venezuela

O pontífice argentino defendeu que o país siga o 'caminho da unidade nacional'

O Papa Francisco. Foto: AFP

O Papa Francisco. Foto: AFP

Mundo,Política

O Papa Francisco se manifestou nesta quinta-feira 29 contra qualquer “intervenção externa” na Venezuela, em uma mensagem de vídeo enviada por ocasião da beatificação do médico José Gregorio Hernández. Francisco pediu “reconciliação” e “unidade” aos venezuelanos.

“Peço que, entre todos, recuperemos essa Venezuela na qual todos sabem que se encaixam, na qual todos podem encontrar um futuro. E peço ao Senhor que nenhuma intervenção externa impeça de seguir este caminho da unidade nacional”, disse o pontífice argentino.

A mensagem do Papa latino-americano, bastante sensível aos problemas de sua região, chega em um momento difícil pelas tensões com a Colômbia e os confrontos com grupos irregulares na fronteira entre os dois países.

 

 

As autoridades da Venezuela renovaram na quarta-feira suas queixas contra o presidente colombiano, Iván Duque, a quem Caracas acusa de apoiar o governo dos Estados Unidos em supostos planos para derrubar o presidente Nicolás Maduro.

Em sua mensagem, o Papa relembra a figura do novo beato, conhecido em quase toda a América Latina por ter dedicado sua vida como médico aos pobres e doentes.

O chamado “médico dos pobres”, venerado como um santo na Venezuela, será beatificado na sexta-feira em uma pequena cerimônia em Caracas, devido à pandemia de Covid-19.

“Eu oro, queridos irmãos e irmãs, para que o novo beato inspire, particularmente, todos os líderes, todos: sindicais, acadêmicos, políticos, empresariais, religiosos, universitários e outros a tomarem medidas sérias para alcançar uma unidade operacional”, disse o Papa.

“Busquemos o caminho da unidade nacional, pelo bem da Venezuela”, acrescentou.

Em sua mensagem, Francisco reitera que “a beatificação do médico Hernández é uma bênção especial de Deus para a Venezuela e nos convida ao diálogo para uma maior solidariedade de uns com os outros, para produzir entre todos a resposta do bem comum tão necessária para que o país reviva, renasça depois da pandemia, com espírito de reconciliação”, explicou.

Francisco afirmou em várias ocasiões que desejava visitar a Venezuela, relembrou “as prolongadas dificuldades e angústias” desse país, agravadas agora pela pandemia de coronavírus, assim como “todos aqueles que deixaram o país em busca de melhores condições de vida”, referindo-se aos milhões de venezuelanos que tiveram de emigrar.

“Creio sinceramente que este momento de unidade nacional, em torno da figura do médico do povo, representa um momento singular para a Venezuela, e exige que vocês vão mais além, que deem passos concretos a favor da unidade, sem se deixarem vencer pelo desânimo”, concluiu.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem