Mundo

Papa Francisco nomeia novos cardeais, inclusive o primeiro afro-americano

Arcebispo de Washington, Wilton Gregory é conhecido por suas posições progressistas

O arcebispo de Washington, Wilton Gregory. Foto: Fabio Frustaci/AFP
O arcebispo de Washington, Wilton Gregory. Foto: Fabio Frustaci/AFP

O Papa Francisco segue com o trabalho de reforma na hierarquia da Igreja com a investidura, neste sábado 28, de 13 novos cardeais que compartilham sua visão a favor dos pobres, em uma cerimônia mais simples no Vaticano devido à pandemia.

O primeiro Papa latino-americano da história, de 83 anos, que está desenvolvendo seu legado, entregou o título cardinalício aos novos cardeais, que incluem nove eleitores, ou seja, religiosos com direito de voto em um futuro conclave para a eleição de seu sucessor.

Durante a homilia na basílica de São Pedro, o pontífice fez uma advertência sobre a tentação de cair em “corrupção” durante a vida religiosa e, sobretudo, de sentir-se uma “eminência”.

“Por exemplo, o vermelho púrpura do hábito cardinalício, que é a cor do sangue, pode se tornar, pelo espírito mundano, uma distinção eminente. Assim, a pessoa não se sente mais um pastor, e sim uma eminência. Quando você sentir isso, você se sentirá fora do caminho”, alertou.

A cerimônia foi marcada pela pandemia de Covid: 11 novos cardeais, todos com os trajes litúrgicos vermelhos, acompanharam a cerimônia de máscara e com distanciamento uns dos outros para evitar a propagação do vírus.

Com as restrições, a cerimônia teve uma presença reduzida de fiéis e convidados, menos de 100 pessoas.

O Vaticano respeita as restrições determinadas na Itália pela pandemia e dois novos cardeais, da Ásia, não conseguiram viajar e acompanharam a cerimônia pela internet, um fato inédito na história da Igreja.

Os 13 novos cardeais são seis italianos, um mexicano, um maltês, um espanhol, um americano, um filipino, um ruandês e um de Brunei.

A lista inclui o arcebispo de Santiago do Chile, o espanhol residente no país Celestino Aós, e bispo emérito de San Cristóbal de las Casas (México), Felipe Arizmedi Esquivel, que tem mais de 80 anos e não poderá participar no conclave.

Os dois novos cardeais foram obrigados a cumprir uma quarentena rígida de 10 dias no Vaticano e passaram por exames de diagnóstico de Covid-19.

Párocos, frades e bispos de todos os continentes

Os novos cardeais formam um conjunto bastante heterogêneo, “bergogliano”, pelo nome do Papa  argentino Jorge Mario Bergoglio, alegam alguns analistas.

O grupo inclui párocos, um frade franciscano, um núncio aposentado, um ex-diretor da Caritas, um pregador da Casa Papal, alguns membros da Cúria e bispos de vários continentes e terras de missão.

Francisco amplia pela sétima vez o Colégio de Cardeais, praticamente uma vez por ano, para deixar sua marca e traçar o caminho da Igreja com a qual sonha, mais próxima dos pobres, dos esquecidos da Terra.

Por este motivo deixou de fora as grandes sedes episcopais, como Turim, Milão ou Veneza, e preferiu premiar religiosos que dedicaram suas vidas a cuidar dos pobres, dos migrantes, que moram nas “periferias” do mundo.

Respeitando a tradição e apesar do coronavírus, os futuros “príncipes da Igreja” se ajoelharam para receber da mão do Papa o simbólico barrete cardinalício de cor vermelha.

Os novos cardeais não foram autorizados a trocar o “abraço da paz”, nem presidiram as chamadas “visitas de cortesia”, um dos momentos mais especiais e democráticos, quando as portas do blindado palácio apostólico se abrem para qualquer pessoa que deseje saudá-los e felicitá-los.

O primeiro afro-americano

Entre as personalidades mais emblemáticas da nova série de designações está o primeiro cardeal afro-americano da história, o arcebispo de Washington, Wilton Gregory, natural do South Side de Chicago, conhecido por suas posições progressistas a favor dos homossexuais.

Receberam o título cardinalício o arcebispo de Kigali, em Ruanda, Antoine Kambnada, representante de um dos países mais afetados pela guerras e a fome, e o monsenhor Cornelius Sim, o primeiro cardeal da história da pequena nação de Brunei.

Comovente e simbólico, Francisco designou como cardeais dois simples padres italianos: o romano Augusto Paolo Lojudice, “Don Paolo”, atual arcebispo de Siena, mas conhecido por sua defesa dos ciganos da capital, e o frade franciscano Mauro Gambetti, 55 anos, guardião do Santo Convento de Assis, a cidade de São Francisco, o padroeiro dos pobres.

O Colégio Cardinalício passará a contar com 229 religiosos, incluindo 128 eleitores em um futuro conclave e 101 com mais 80 anos, de acordo com as estatísticas divulgadas neste sábado pelo Vaticano.

O Papa argentino “criou”, segundo o termo religioso, 95 cardeais em quase oito anos de pontificado.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!