Mundo

Pandora Papers: Presidente do Equador se recusa a ir ao Congresso para prestar esclarecimentos

Lasso afirmou que tem ‘pleno direito’ de conhecer as declarações do restante das pessoas mencionadas antes de dar seu próprio testemunho

Guilhermo Lasso. Foto: Rodrigo BUENDIA/AFP
Guilhermo Lasso. Foto: Rodrigo BUENDIA/AFP

O presidente do Equador, Guillermo Lasso, se recusou nesta quarta-feira 20 a ir ao Congresso, dominado pela oposição, oferecer sua versão do escândalo que o envolve nos Pandora Papers.

O presidente foi chamado pela Comissão de Garantias Constitucionais para dar seu depoimento depois que uma investigação jornalística internacional revelou que líderes e personalidades de todo o mundo esconderam ativos em paraísos fiscais.

A comissão convocou Lasso, um ex-banqueiro de direita de 65 anos, para depor na tarde de hoje.

Em uma carta, o presidente comunicou que não irá ao parlamento, mas que está disposto a receber os legisladores na sede do governo, “assim que forem evacuadas todas as presenças previstas no plano de trabalho”.

Lasso afirmou que tem “pleno direito” de saber as declarações do restante das pessoas mencionadas antes de dar seu próprio testemunho.

Também solicitou à Controladoria o exame de seu patrimônio e confirmou sua renúncia ao sigilo bancário, o que fez antes de assumir o cargo, conforme exigido por lei.

A ministra de Governo, Alexandra Vela, afirma que o Congresso pretende levá-lo a julgamento político, mecanismo pelo qual pode ser destituído do cargo.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!