ONU denuncia violência dos talebans contra manifestantes no Afeganistão

Nos últimos dias, o Afeganistão registrou diversas manifestações contra o Taleban

Membros do Taleban ocupam Kandahar, no Afeganistão. Foto: AFP

Membros do Taleban ocupam Kandahar, no Afeganistão. Foto: AFP

Mundo

A ONU denunciou, nesta sexta-feira 10, a violenta repressão de manifestações pacíficas no Afeganistão por parte dos talebans, nas quais ao menos 4 pessoas morreram, e pediu ao novo governo que respeite o direito internacional.

“Pedimos aos talebans que parem de usar a força e as detenções arbitrárias, imediatamente, contra aqueles que exercem seu direito de protestar pacificamente e contra os jornalistas que cobrem essas manifestações”, declarou Ravina Shamdasani, porta-voz do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, na coletiva de imprensa regular na sede das Nações Unidas em Genebra, Suíça.

Segundo uma contagem “não exaustiva” do Alto Comissariado, quatro manifestantes morreram por disparos dos talebans, destacou Shamdasani, que denunciou que o movimento islâmico proíbe, desde quarta-feira, qualquer concentração não autorizada.

“Segundo o direito humanitário internacional, qualquer uso da força deve ser um último recurso em resposta às manifestações, deve ser estritamente necessário e proporcional e as armas de fogo nunca devem ser usadas caso não seja em resposta a uma ameaça mortal iminente”, lembrou a porta-voz.

“Além de proibir as manifestações pacíficas, os talebans deveriam deixar de usar a força e garantir o direito da reunião pacífica e da liberdade de expressão, também quando as pessoas quiserem declarar suas preocupações e fazer uso de seu direito de participar” da gestão do país, destacou.

“As proibições de qualquer concentração pacífica representam uma violação do direito internacional, como cortar o acesso à internet”, disse a porta-voz.

Ela também afirmou que os jornalistas que cobrem esses protestos não devem ser alvo “nem de represálias nem de assédio”, após os relatos de dois repórteres afegãos a quem os talebans agrediram.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem