OMS teme 700 mil mortes adicionais por Covid-19 na Europa até março

Órgão destaca três fatores: virulência da variante delta, vacinação insuficiente e flexibilização das restrições sanitárias

 Foto: Nikolay Doychinov/AFP

Foto: Nikolay Doychinov/AFP

Mundo

A Organização Mundial da Saúde teme que o avanço da pandemia de coronavírus na Europa provoque 700 mil mortes adicionais até março, caso a tendência atual persista.

Com isso, número total de óbitos por Covid-19 chegaria a 2,2 milhões na região.

 

 

Em um comunicado, a OMS informou que “se espera” uma alta, ou extrema, pressão sobre as unidades de terapia intensiva “em 49 dos 53 países que integram a região, de agora até 1º de março de 2022” e que “as mortes acumuladas contabilizadas devem superar 2,2 milhões até a primavera” (hemisfério norte, outono no Brasil).

A Covid-19 provocou 1,5 milhão de mortes até o momento na Europa.

Para a OMS, o aumento de casos se explica pela combinação de três fatores: virulência da variante delta, altamente contagiosa; vacinação insuficiente; e flexibilização das restrições sanitárias.

Segundo dados oficiais, as mortes ligadas ao coronavírus dobraram desde o final de setembro, passando de 2,1 mil por dia para cerca de 4,2 mil, em média, na Europa.

“A situação na Europa e na Ásia Central é muito séria. Enfrentamos um inverno cheio de desafios”, afirmou o diretor da OMS para a Europa, Hans Kluge, pedindo que, à vacinação, sejam somadas medidas de prevenção, como o uso de máscara, higiene e distanciamento físico.

Segundo a OMS, o uso da máscara reduz em 53% a incidência da doença. Se seu uso for generalizado, mais de 160 mil mortes poderão ser evitadas até 1º de março, afirma a organização, que também recomenda uma dose de reforço da vacina anticovid-19 para aumentar sua eficácia.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem