Mundo

Netanyahu apresenta plano oficial de Israel para Gaza após a guerra

O documento foi distribuído a membros do gabinete de segurança de Israel

Primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, rejeitou qualquer "trégua temporária". Foto: Abir Sultan / POOL / AFP
Apoie Siga-nos no

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, revelou pela primeira vez qual o seu plano para o futuro da Faixa de Gaza após a guerra contra o Hamas, que já dura quatro meses.

Segundo a agência internacional de notícias EFE, o documento, apresentado aos membros do gabinete de segurança de Israel na quinta-feira 22, inclui a “desmilitarização completa” do território palestino, o fechamento da fronteira sul do território com o Egito, bem como a revisão da administração civil e dos sistemas educativos de Gaza.

De imediato, Netanyahu indica a destruição do potencial militar e infraestrutura governamental do Hamas e da Jihad Islâmica, bem como, a libertação dos reféns. 

Em seguida, Israel manteria o controle de segurança sobre todas as terras a oeste da Jordânia, incluindo a Cisjordânia ocupada e Gaza — territórios onde os palestinos querem criar um Estado independente.

Já em médio prazo, Netanyahu descreve a desmilitarização e a desradicalização como metas a serem alcançadas na “reabilitação da Faixa de Gaza”.

O premiê propõe ainda que Israel esteja presente na fronteira entre Gaza e Egito, no sul do enclave, e coopere com o Egito e os Estados Unidos nessa área para impedir tentativas de contrabando, inclusive na passagem de Rafah.

A longo prazo, ele rejeita expressamente o “reconhecimento unilateral” de um Estado palestino e diz que um acordo com os palestinos só será alcançado por meio de negociações diretas entre os dois lados — mas não menciona quem representaria o lado palestino.

Para substituir o domínio do Hamas em Gaza e, ao mesmo tempo, manter a ordem pública, Netanyahu sugere trabalhar com representantes locais “que não sejam afiliados a países ou grupos terroristas e que não sejam apoiados financeiramente por eles”.

Além disso, é mencionado o fechamento da agência da Organização das Nações Unidas (ONU) para os refugiados palestinos e sua substituição por outros grupos de ajuda internacional.

O documento foi distribuído a membros do gabinete de segurança para iniciar uma discussão sobre o assunto.

A Autoridade Palestina, que administra a Cisjordânia, expressou oposição veemente ao plano.

“Se o mundo quer segurança e estabilidade na região, deve acabar com a ocupação israelense dos territórios palestinos e reconhecer o Estado palestino independente com Jerusalém como capital”, afirmou Abu Rudeineh, porta-voz de Mahmud Abbas, que administra o território palestino ocupado por Israel desde 1967.

(Com informações da AFP)

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo