‘Não cruzem a linha vermelha com a Rússia’, diz Putin a ocidentais

'Todos aqueles que organizarem provocações contra nossos países ou contra nossos interesses se arrependerão', declarou o presidente russo

O presidente russo, Vladimir Putin. Foto: AFP

O presidente russo, Vladimir Putin. Foto: AFP

Mundo

A Rússia está sob forte tensão nesta quarta-feira 21, com uma convocação para manifestações à noite, liderada por partidários do opositor Alexeï Navalny. Mas antes desses protestos, o presidente russo Vladimir Putin fez seu tradicional discurso sobre o Estado da Nação aos parlamentares, com frases de efeito e ameaças veladas aos “ocidentais”.

Fiel a seus hábitos, Vladimir Putin ignorou completamente Alexeï Navalny, cujo destino desperta a preocupação não só de seus partidários, mas também de muitos governos no exterior, em particular dos países ocidentais. Ele não disse uma palavra sobre o assunto.

Por outro lado, o presidente russo falou longamente sobre a pandemia de Covid-19, dizendo acreditar que a Rússia assumiu o desafio da saúde, mas pedindo que seus cidadãos se vacinem. A taxa de vacinação no país continua muito baixa, apenas 4% da população foi imunizada, embora a vacina Sputnik V seja aplicada gratuitamente.

Vladimir Putin também detalhou as medidas de apoio, em particular às famílias, para superar as dificuldades econômicas causadas pela Covid-19, visando as eleições legislativas de setembro. A votação promete ser delicada para o partido no poder, que tem a menor intenção de voto nas pesquisas.

 

Tensões internacionais

Declarações de Putin sobre as tensões internacionais e a situação na Ucrânia também eram esperadas. Como gosta de frases de efeito e não abre mão do efeito surpresa, o presidente russo preferiu falar sobre Belarus e a suposta tentativa de assassinato do presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko.

Vladimir Putin se disse surpreso com o silêncio dos países ocidentais sobre o que considera uma tentativa de golpe e advertiu: “Todos aqueles que organizarem provocações contra nossos países ou contra nossos interesses se arrependerão. Espero que ninguém tenha a ideia de cruzar a linha vermelha nas relações com a Rússia”.

Putin se apropria, assim, de uma expressão frequentemente usada pelos países ocidentais, mas sem especificar no que consiste a famosa “linha vermelha”.

De qualquer forma, embora não seja claro, este é um aviso dirigido aos países ocidentais sobre as tensões em Donbass, no leste da Ucrânia, entre o exército ucraniano e as forças pró-russas.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Rádio pública francesa que produz conteúdo em 18 línguas, inclusive português. Fundada em 1931, em Paris.

Compartilhar postagem