Mundo

Na Celac, Lula denuncia ‘carnificina’ e pede moção pelo fim do ‘genocídio’ em Gaza

‘As pessoas estão morrendo na fila para obter comida. A indiferença da comunidade internacional é chocante’, criticou o petista

Foto: Ricardo Stuckert
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) sugeriu nesta sexta-feira 1º uma moção pelo fim do “genocídio” na Faixa de Gaza, durante discurso na 8ª Cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos, a Celac. O encontro ocorre em Kingstown, em São Vicente e Granadinas.

Na ocasião, Lula mencionou a ação de Israel que matou mais de 100 palestinos desesperados por comida em Gaza, na quinta 29. “As pessoas estão morrendo na fila para obter comida. A indiferença da comunidade internacional é chocante.”

“Eu quero aproveitar a presença do nosso querido companheiro secretário-geral da ONU, António Guterres, para propor uma moção da Celac pelo fim imediato desse genocídio“, afirmou.

A Guterres, Lula sugeriu recorrer ao artigo 99 da Carta da ONU, a fim de “levar à atenção do Conselho tema que ameaça a paz e a segurança internacional”.

“Já são mais de 30 mil mortos. As vidas de milhares de mulheres e crianças inocentes estão em jogo. As vidas dos reféns do Hamas também estão em jogo”, prosseguiu o presidente. “A nossa dignidade e humanidade estão em jogo. Por isso é preciso parar a carnificina em nome da sobrevivência da humanidade, que precisa de muito humanismo.”

Em busca de resultados concretos, Lula voltou a pedir que os membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU trabalhem pela paralisação da guerra na Faixa de Gaza

Os integrantes permanentes são os únicos com poder de veto no colegiado. São eles: China, França, Rússia, Reino Unido e Estados Unidos. 

O Conselho aprovou, por exemplo, resoluções para a entrada de ajuda humanitária em Gaza, mas vetou ao menos três proposições sobre o cessar-fogo na região.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo