Mundo

Mundo não pode normalizar a ocupação de territórios palestinos por Israel, defende o Brasil em Haia

A delegação brasileira apontou ainda que a incursão militar israelense viola o direito do povo palestino à autodeterminação

Fumaça e estragos causados por ação de Israel na Faixa de Gaza. Foto: SAID KHATIB / AFP
Apoie Siga-nos no

O governo do Brasil afirmou, em manifestação na Corte Internacional de Justiça, em Haia, na Holanda, nesta terça-feira 20, que a comunidade internacional não pode normalizar a ocupação de territórios na Palestina por Israel.

A delegação do Itamaraty apontou ainda que a incursão militar israelense viola o direito do povo palestino à autodeterminação. O tribunal realiza audiências públicas para ouvir a posição dos países-membros das Nações Unidas sobre os 56 anos de ocupação de Israel em territórios palestinos.

“Os eventos trágicos dessa data e as operações militares desproporcionais e indiscriminadas que se seguiram, no entanto, deixam claro que a mera gestão do conflito não pode ser considerada uma opção, e uma solução de dois Estados, com um Estado palestino economicamente viável convivendo ao lado de Israel, é a única maneira de proporcionar paz e segurança para Israel e os palestinos”, disse a representante brasileira, Maria Clara de Paula Tusco.

Na avaliação do Brasil, é necessário que Haia se pronuncie para que “todos saibam” as implicações das consequências legais dos atos de Israel. O governo também ressaltou que a gravidade das ações é “indiscutível e que os ataques israelenses são “desproporcionais e indiscriminados”.

No fim de janeiro, a CIJ determinou que o governo de Israel tome todas as medidas cabíveis para “prevenir um genocídio” em Gaza. A decisão foi o primeiro julgamento internacional sobre as ações militares no enclave.

A manifestação do Brasil em Haia ocorre em meio a uma crise entre a diplomacia israelense e o presidente Lula (PT).

No último domingo 18, o petista classificou como “genocídio” a ofensiva em Gaza como resposta aos ataques executados pelo Hamas em outubro. Lula comparou indiretamente a ação israelense ao extermínio de judeus pela Alemanha nazista.

Como reação, o governo israelense declarou Lula uma “persona non grata“, termo utilizado nas relações internacionais para indicar que um representante oficial estrangeiro não é mais bem-vindo em um país.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo