Mundo

Mulher é detida no Texas por ameaçar juíza que preside processo contra Trump

“Se Trump não for eleito em 2024, nós vamos matá-la, então tenha cuidado”, ameaçou a acusada

Foto: TIMOTHY A. CLARY / AFP
Apoie Siga-nos no

Uma mulher do Texas foi detida na quarta-feira (16) por supostamente fazer ameaças de morte com insultos racistas contra a juíza afroamericana responsável pelo caso de conspiração contra o ex-presidente Donald Trump por tentar alterar o resultado da eleição de 2020, informam documentos judiciais.

Em 5 de agosto, Abigail Jo Shry deixou uma mensagem telefônica para a juíza federal Tanya Chutkan em Washington DC com ameaças contra a magistrada, segundo uma denúncia apresentada por um agente do Departamento de Segurança Nacional (DHS).

A mulher de 43 anos, moradora de Alvin, Texas, chamou Chutkan de “escrava negra estúpida” e ameaçou: “Você está na nossa mira, nós queremos matar você”, de acordo com o documento apresentado a um tribunal federal no distrito sul do Texas. .

“Se Trump não for eleito em 2024, nós vamos matá-la, então tenha cuidado”, ameaçou a acusada, antes de acrescentar que a família de Chutkan também era um alvo.

Na ligação, Jo Shry também ameaçou matar qualquer pessoa que perseguir Trump e mencionou a congressista afroamericana democrata pelo Texas Sheila Jackson Lee, segundo os documentos.

Na quarta-feira, um juiz ordenou a detenção de Jo Shry e determinou que ela compareça a um tribunal.

Trump, 77 anos, é atualmente o favorito entre os republicanos para disputar a eleição presidencial de 2024, mas enfrenta quatro processos judiciais.

A juíza federal Chutkan, 61 anos, foi sorteada para supervisionar o julgamento histórico do 45º presidente dos Estados Unidos por acusações de conspirar para reverter o resultado da eleição de 2020, vencida pelo democrata Joe Biden, que agora busca a reeleição.

Há dois anos, Chutkan rejeitou uma ação de Trump na qual o republicano alegava que, como presidente, não poderia entregar documentos a um comitê do Congresso que investigava o ataque ao Capitólio de seus simpatizantes em 2021.

Ela respondeu que “presidentes não são reis” e que Trump não estava mais no cargo.

Os julgamentos sobre o ataque ao Capitólio acontecem em Washington e Chutkan presidiu quase 30 deles, proferindo algumas das sentenças mais severas contra apoiadores de Trump envolvidos nos eventos.

Nascida na Jamaica, a juíza foi nomeada pelo ex-presidente democrata Barack Obama e confirmada por unanimidade pelo Senado em junho de 2014.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.