Mundo

MP da Espanha pede 9 anos de prisão para Daniel Alves por violência sexual

O jogador é acusado de violência sexual contra uma jovem em uma boate de Barcelona

Daniel Alves, jogador da seleção brasileira. Foto: Daniel Leal-Olivas/AFP
Apoie Siga-nos no

O Ministério Público espanhol pediu a pena de nove anos de prisão para o jogador brasileiro Daniel Alves, acusado de violência sexual contra uma jovem numa boate de Barcelona, fato pelo qual se encontra em prisão preventiva desde janeiro.

O MP pede para o jogador “uma pena de nove anos de prisão”, assim como uma indenização à vítima no valor de 150 mil euros (cerca de R$ 800 mil pela cotação atual), por um crime de “agressão sexual com penetração”, segundo o documento de conclusões provisórias do Ministério Público, ao qual a AFP teve acesso nesta quinta-feira (23).

Da mesma forma, o Ministério Público solicita outros dez anos de liberdade vigiada para Alves, uma vez cumprida a pena de prisão que lhe foi imposta, assim como a proibição de aproximação ou comunicação com a vítima durante esse período.

O documento traz uma descrição detalhada do que, segundo o MP, ocorreu no banheiro da boate Sutton, em Barcelona, na madrugada de 30 para 31 de dezembro do ano passado.

Após se reunir no local, o ex-jogador de Barcelona e PSG teria convidado a jovem a entrar no pequeno local, que ela não sabia que se tratava de um banheiro.

Lá, segundo o Ministério Público, o ex-jogador da seleção brasileira teria demonstrado uma “atitude violenta” em relação à jovem, a quem obrigou a manter relações sexuais, apesar de sua resistência.

A jovem denunciou os acontecimentos no dia 2 de janeiro.

O jogador, que inicialmente negou conhecer a menina, mudou diversas vezes de versão, mas acabou admitindo que tiveram relações, ainda que consensuais, segundo fontes próximas ao caso.

Depois de ouvir o seu primeiro depoimento, o juiz de instrução decidiu enviá-lo para prisão preventiva no dia 20 de janeiro.

A versão da mulher se manteve estável e os magistrados do Tribunal de Barcelona rejeitaram vários recursos dos advogados de Daniel Alves solicitando a sua liberdade condicional, alegando, entre outros, que havia risco de fuga para o Brasil.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo