Mundo

Mitch McConnell deixará o cargo de líder republicano no Senado dos EUA

Na câmara alta, ele se esforçou por uma agenda conservadora, como a nomeação de magistrados que anularam a proteção constitucional do aborto

Mitch McConnell e Donald Trump. Foto: Jim Watson/AFP
Apoie Siga-nos no

O político americano Mitch McConnell, de 82 anos, disse, nesta quarta-feira 28, que deixará o posto de líder do Partido Republicano no Senado em novembro, encerrando o mandato mais longevo de um líder da câmara alta na história.

“Eu me apresento diante de vocês hoje, senhor presidente e colegas, para dizer que este é meu último mandato como líder republicano”, disse McConnell no Senado.

Senadores republicanos e democratas reagiram com uma ovação em pé.

Mitch McConnell, no entanto, não esclareceu se deixará o cargo de senador pelo Kentucky, que ocupa desde 1985.

Líder dos republicanos no Senado desde 2015, McConnell esteve na linha de frente contra as políticas do governo do presidente democrata Barack Obama (2009-2017) e apoiou o republicano Donald Trump quando ele chegou ao poder, em janeiro de 2017.

Durante anos, reivindicou o apelido de “coveiro”, recebido pela pressa em enterrar as esperanças de seus adversários democratas.

Na câmara alta do Congresso, esforçou-se para promover uma agenda conservadora, como a nomeação de magistrados da Suprema Corte que anularam a proteção constitucional do aborto em 2022.

Nos últimos anos, esse negociador nas sombras se destacou como um dos maiores defensores da ajuda americana à Ucrânia, vendo-se obrigado a lidar com um partido sob a influência de Donald Trump e com posições cada vez mais isolacionistas.

Essa mudança radical ficou clara nas últimas semanas, com o bloqueio de um pacote de ajuda militar de 60 bilhões de dólares para a Ucrânia, em guerra desde que foi invadida pela Rússia, em fevereiro de 2022.

McConnell sempre cultivou uma imagem austera, com ternos que parecem saídos de um guarda-roupas dos anos 1970.

Durante a presidência de Joe Biden, a quem conhece bem por ter trabalhado com ele durante anos no Senado, contribuiu para a aprovação de vários projetos de lei apoiados pelos dois partidos.

Nos últimos meses, seu estado de saúde gerou preocupação.

Em março, o senador teve de ser hospitalizado devido a uma queda durante um jantar que lhe causou concussão cerebral, uma costela quebrada e o deixou de licença por quase seis semanas.

A queda reacendeu as críticas ao envelhecimento da classe política americana, às vezes qualificada de gerontocracia, mas, naquela ocasião, Mitch McConnell se negou categoricamente a renunciar.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo