Mundo

Ministro britânico acusa a China de enviar ‘ajuda letal’ à Rússia para a guerra na Ucrânia

O governo dos Estados Unidos, por outro lado, parece discordar da avaliação de Grant Shapps

Os presidentes da China, Xi Jinping, e da Rússia, Vladimir Putin. Foto: Mikhail TERESHCHENKO/SPUTNIK/AFP
Apoie Siga-nos no

O ministro da Defesa do Reino Unido, Grant Shapps, afirmou nesta quarta-feira 22 que a China envia “ajuda letal” à Rússia para ser usada na guerra com a Ucrânia.

“Posso revelar hoje que temos provas de que Rússia e China colaboram em equipamento de combate para uso na Ucrânia”, disse o ministro, durante entrevista coletiva em Londres. “As inteligências militares americana e britânica podem revelar que ajuda letal está fluindo da China à Rússia, e dali para a Ucrânia.”

Shapps alertou que a Otan precisa “acordar” e aumentar os gastos com defesa, e disse que os países democráticos têm de defender as liberdades que dependem da ordem internacional.

“É hora de o mundo acordar, o que significa traduzir este momento em capacidades e planos concretos. Isso começa com a criação das bases para um aumento em toda a aliança dos gastos na nossa dissuasão coletiva”, declarou Shapps.

A aliança estratégica entre Pequim e Moscou se aprofundou desde a invasão à Ucrânia, embora a China negue as acusações ocidentais de que ajuda Moscou em seu esforço bélico.

O gigante asiático representou um bote salva-vidas para a abalada economia russa, com um aumento do comércio bilateral, que atingiu um recorde de 240 bilhões de dólares (1,2 trilhão de reais) em 2023, segundo dados aduaneiros chineses.

O assessor de segurança nacional do presidente americano pareceu discordar de alguns dos comentários feitos por Shapps. Jake Sullivan disse que a possibilidade de a China “fornecer armas diretamente – assistência letal – à Rússia” já foi motivo de preocupação, mas não foi confirmada até o momento.

Os Estados Unidos, no entanto, estão preocupados “com o que a China faz para alimentar a máquina de guerra russa, não fornecendo armas diretamente, mas proporcionando insumos para a base industrial de defesa daRússia”, ressaltou Sullivan.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo