Mundo

Milei nomeia procurador que integrava movimento de tendência nazista

Rodolfo Barra foi ministro da Justiça de Carlos Menem e renunciou ao cargo após a imprensa revelar seu passado militante

O presidente eleito da Argentina, Javier Milei. Foto: Luis Robayo/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente eleito da Argentina, Javier Milei, anunciou como novo procurador do Tesouro o advogado Rodolfo Barra, ex-integrante do grupo Movimiento Nacionalista Tacuara, de tendência nazista.

Barra foi ministro da Suprema Corte entre 1989 e 1993. Depois, trabalhou como ministro da Justiça de 1993 a 1996, durante o governo neoliberal de Carlos Menem. No entanto, em 10 de julho de 1996, Barra decidiu renunciar ao cargo após a imprensa noticiar o seu passado como integrante do grupo ultraconservador.

À época, a revista Notícias de la Semana revelou a sua militância de inspiração antissemita no grupo Unión Nacionalista de Estudiantes Secundarios, organização juvenil ligada ao Tacuara. O veículo informou que Barra “fazia saudação nazista” e questionava se era “confiável a Justiça em suas mãos”.

Além disso, o jornal argentino Página 12 divulgou que Barra foi preso na década de 1960 por participar de um ataque a uma sinagoga, em 1965. A comunidade judia pressionou por sua demissão.

Como ministro de Menem, Barra era responsável por supervisionar investigações sobre atentados contra a Embaixada de Israel em Buenos Aires e a sede da Associação Israel-Argentina.

Quando ocupou o posto, o então ministro da Justiça foi autor da Lei da Mordaça, dispositivo que limitava a atividade da imprensa, com aumentos de penas para “calúnias e injúrias” e permissões para a apreensão de itens sem autorização judicial.

Ao deixar o cargo, o advogado disse à imprensa: “Se fui nazista, me arrependo”.

O novo procurador do Tesouro da Argentina, Rodolfo Barra. Foto: Reprodução

Movimento contra antissemitismo rechaça nomeação

Após a escolha de Milei, o Fórum Argentino contra o Antissemitismo publicou uma nota, nesta sexta-feira 1º, em que manifesta “profunda preocupação e rechaço” e pede a reconsideração sobre o anúncio.

A carta diz ser “inadmissível que uma pessoa com antecedentes vinculados ao Movimiento Nacionalista Tacuara, com tendências próximas ao nazismo, seja nomeada para um cargo de tal relevância”.

O novo cargo de Barra tem a função de assessorar o Estado em questões relacionadas ao erário público e ao controle de legalidade jurídica das ações dos principais funcionários do Poder Executivo.

Milei toma posse em 10 de dezembro, após a gestão de quatro anos de Alberto Fernández.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.