Mundo

Mais de 200 pessoas condenadas na Itália em julgamento contra a máfia

Dos 338 acusados que compareceram em primeira instância ao tribunal de Lamezia Terme (sul), 207 foram considerados culpados e condenados e 131 foram absolvidos

Advogados durante leitura do veredicto durante o julgamento da Máfia, em Lamezia Terme
Apoie Siga-nos no

Mais de 200 pessoas foram condenadas nesta segunda-feira 20 na Itália a penas até 30 anos de prisão no final de um macro julgamento contra a ‘Ndrangheta, a máfia mais poderosa do país.

Dos 338 acusados que compareceram em primeira instância ao tribunal de Lamezia Terme (sul), 207 foram considerados culpados e condenados e 131 foram absolvidos.

A Promotoria havia solicitado um total de quase 5.000 anos de prisão contra os acusados e os seus cúmplices de colarinho branco, funcionários públicos, autoridades locais e, inclusive, policiais de alta patente.

As sentenças, lidas pela juíza Brigida Cavasino, variam entre alguns meses de prisão e 30 anos – pena proferida contra quatro pessoas.

Um dos réus mais conhecidos, o ex-senador Giancarlo Pittelli, de 70 anos, foi condenado a 11 anos de prisão. A Promotoria havia solicitado 17 anos.

A ‘Ndrangheta, que atua na região pobre da Calábria, é a maior e mais poderosa das máfias italianas. Está presente em quase 40 países e exerce um enorme controle em sua região, infiltrando-se e corrompendo a administração.

Desde janeiro de 2021, três juízes ouviram durante milhares de horas testemunhas – incluindo quase 50 mafiosos arrependidos que se tornaram colaboradores da justiça – sobre as atividades da família Mancuso e seus associados, um importante clã da ‘Ndrangheta que controla a província de Vibo Valentia.

“Silêncio ensurdecedor”

O grande julgamento aconteceu em um bunker sob fortes medidas de segurança na cidade de Lamezia Terme e é o mais importante contra a máfia em mais de 30 anos.

As acusações eram muitas, de associação criminosa, tráfico de drogas, extorsão, usura ou lavagem de dinheiro.

Durante o julgamento, os acusados detalharam o funcionamento violento da ‘Ndrangheta, a sua influência sobre a população local, a extorsão, a fraude em licitações e eleições e a aquisição de armas.

Revelaram como as armas eram escondidas nos cemitérios, o uso de ambulâncias para transportar drogas ou como a água municipal era desviada para irrigar as plantações de maconha.

Rocco Mangiardi, de 67 anos, empresário vítima da máfia, compareceu nesta segunda-feira, como outras vezes, ao local do julgamento para expressar o seu apoio “àqueles que nos ajudam a nos libertar, os juízes e os promotores” e disse à AFP que lamenta o “silêncio ensurdecedor” da imprensa italiana sobre o caso.

150 famílias

Aqueles que se opõem à máfia são ameaçados e, algumas vezes, assassinados.

Algumas das práticas do grupo incluem deixar filhotes de cachorros mortos ou cabeças de cabra em suas portas. Uma pessoa até recebeu o cadáver de um golfinho.

Os mafiosos também incendeiam carros e saqueiam as janelas de lojas como forma de aviso. Algumas pessoas foram espancadas ou baleadas. Outras desapareceram para sempre.

O fato de os acusados incluírem gerentes de empresas, prefeitos, funcionários públicos e até um policial de alta patente mostra até que ponto a ‘Ndrangheta conseguiu se infiltrar na economia legal.

Por muito tempo subestimada, a ‘Ndrangheta se desenvolveu de forma discreta durante décadas, enquanto as autoridades concentravam os seus esforços na Cosa Nostra, a máfia siciliana mostrada em filmes como “O Poderoso Chefão”.

O primeiro macro julgamento deste tipo foi organizado contra os seus membros em Palermo, em 1986, e levou à condenação de 338 mafiosos.

Os especialistas calculam que a ‘Ndrangheta, composta por cerca de 150 famílias calabresas, fatura cerca de 50 bilhões de euros (cerca de 54,5 bilhões de dólares ou 265,5 bilhões de reais) a nível mundial.

Com a ajuda da Interpol, a Itália conseguiu, nos últimos anos, encurralar redes criminosas, treinando policiais em todo o mundo para reconhecerem as atividades da ‘Ndrangheta no seu território e para as confrontarem.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.