Mundo

Maduro ordena concessão de licenças para explorar petróleo em área disputada com Guiana

O presidente da Venezuela também proporá uma lei para ‘a criação da Guiana Essequiba’

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro. Foto: AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, ordenou à estatal petrolífera PDVSA a concessão de licenças para a exploração de recursos na região do Essequibo, a área disputada com a Guiana, onde Georgetown autorizou a operação de empresas petrolíferas estrangeiras e locais.

Maduro instruiu a criação da “divisão PDVSA-Essequibo” e a concessão “de imediato de licenças operacionais para a exploração de petróleo, gás e minerais em toda a área”.

Essas medidas fazem parte de um conjunto de anúncios feitos pelo presidente nesta terça-feira, após o referendo consultivo do último domingo, no qual buscou o apoio popular para seu pleito sobre a região em disputa.

No referendo, mais de 10,4 milhões de votantes participaram, metade do eleitorado da Venezuela, e mais de 95% concordaram que o Essequibo se torne uma província do país.

O presidente propôs, também nesta terça-feira, a elaboração de uma lei especial para discutir “com todos os setores” a criação de “uma norma muito firme para proibir” a contratação de empresas que operam na área sob concessões concedidas pela Guiana no “mar a delimitar”.

“Proponho [dar] três meses a todas essas empresas para se retirarem dessas operações no mar a delimitar, três meses”, disse. “Estamos abertos a conversar”.

A Guiana deu o aval em outubro passado para seis empresas petrolíferas, incluindo a americana Exxon e a francesa TotalEnergy, explorarem suas costas, o que gerou protesto da Venezuela devido a serem “águas pendentes por delimitar”, e, em resposta, convocou o referendo.

Maduro disse que agora exercerá o “poder” concedido pelo povo e propôs também uma lei para “a criação da Guiana Essequiba”, uma província na área disputada com a Guiana.

Ele também ordenou a criação de uma “zona de defesa integral da Guiana Essequiba”, sem dar detalhes adicionais, mas que estará localizada na cidade de Tumeremo, no estado de Bolívar (sul), fronteiriço com a área em disputa.

Além disso, pediu a implementação de um plano de “atenção social” para a população da área em disputa, “bem como a realização de um censo e a entrega de carteiras de identidade aos seus habitantes”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.