Economia

Macron virá ao Brasil em março para discutir acordo UE-Mercosul

O líder francês disse considerar Lula um presidente ‘visionário’ e ‘corajoso’

O presidente Lula e o presidente da França, Emmanuel Macron, durante a COP28, em Dubai, em 2 de dezembro de 2023. Foto: Ludovic Marin/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou neste sábado 2 que viajará ao Brasil em março para discutir com o presidente Lula o acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul.

Macron anunciou a decisão depois de reunir-se com Lula na COP28, em Dubai. Segundo o Palácio do Planalto, a visita ocorrerá em 27 de março.

O presidente francês mencionou uma “agenda bilateral extremamente densa” e “muitos pontos de vista coincidentes” com Lula, a quem considerou um presidente “visionário” e “corajoso”.

Entre as coincidências, Macron citou “a luta contra o desmatamento, questões de defesa, interesses econômicos e questões culturais”.

Os líderes também discutirão o futuro do acordo comercial entre UE e Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai), fechado em 2019 após 20 anos de duras negociações.

O acordo, no entanto, não foi ratificado devido a preocupações do bloco europeu com as políticas ambientais, especialmente do Brasil.

As negociações entre ambas as partes continuam no momento, apesar de Brasil e Argentina qualificarem as exigências da UE como parciais e inaceitáveis.

Porém, Lula se mostrou confiante na sexta-feira e escreveu na rede social X que ambas as partes estavam perto de “fechar esse acordo”. O Brasil exerce a presidência semestral do Mercosul.

Na sexta-feira, Lula participou de reuniões paralelas à COP28 em Dubai.

Segundo o Palácio do Planalto, a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, e Lula reconheceram os avanços significativos nas reuniões entre suas equipes técnicas após uma conversa por telefone entre eles.

“A UE está comprometida em fechar este acordo”, escreveu Von der Leyen no X na sexta-feira.

A próxima cúpula regional do Mercosul será em 7 de dezembro no Rio de Janeiro, três dias antes da posse do ultraliberal Javier Milei na Argentina. O Brasil teme que sua chegada ao poder coloque o acordo em risco.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.