Mundo

Lula: Putin será convidado para reunião do G20, mas terá de ‘aferir as consequências’

O presidente russo é alvo de um mandado de prisão expedido em março de 2022 pelo TPI por crimes de guerra

Fotos: Mikhail Klimentyev/Sputnik/AFP e Ricardo Stuckert
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) afirmou, nesta segunda-feira 4, que o presidente russo, Vladimir Putin, será convidado a participar da reunião do G20 no Rio de Janeiro, em 2024. Ponderou, no entanto, que caberá a ele “aferir as consequências” de vir ao Brasil, uma vez que o País é signatário do Tribunal Penal Internacional.

A declaração foi concedida durante uma entrevista coletiva ao lado do chanceler da Alemanha, Olaf Scholz.

Putin é alvo de um mandado de prisão expedido em março de 2022 pelo TPI por crimes de guerra – isso significa que qualquer país-membro da Corte deveria prender Putin e transferi-lo a Haia se ele pisar em seus territórios.

“É uma decisão judicial. Um presidente da República não julga as decisões judiciais, ele cumpre ou não cumpre. O Putin está convidado para o G20 no Brasil, para os Brics no Brasil”, disse. “E se ele comparecer, ele sabe o que vai acontecer, pode acontecer ou pode não acontecer.”

Em setembro, o presidente chegou a afirmar que Putin poderia viajar ao Brasil com a tranquilidade de que não seria detido. Depois, mudou o tom e pontuou que uma eventual prisão do líder estrangeiro deveria ficar a cargo da Justiça brasileira.

Desde que o mandado de prisão do TPI foi expedido, o russo tem participado de eventos internacionais por videoconferência, com o objetivo de não passar por países em que poderia ser preso.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.