Mundo

Lula denuncia em Paris o descaso dos países ricos com o Haiti e diz que levará o tema ao G20

O petista afirmou que o Brasil foi o único país a ‘colocar dinheiro vivo lá’ e cobrou mobilização internacional

O presidente Lula em viagem à França. Foto: Ricardo Stuckert
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) afirmou neste sábado 24 que a comunidade internacional abandonou o Haiti “à própria sorte” e denunciou a ação das gangues no país. Ele cobrou uma mobilização a fim de encontrar uma saída política para o problema.

As declarações foram concedidas em Paris, pouco antes de o petista embarcar de volta ao Brasil. Na capital francesa, ele participou da Cúpula do Novo Pacto Financeiro e de diversas outras atividades. Na quinta-feira 22, Lula se reuniu com o primeiro-ministro haitiano, Ariel Henry.

“Um país abandonado à própria sorte, dominado pelas gangues, onde não tem mais eleições há algum tempo. Tivemos uma boa reunião com o primeiro-ministro, uma reunião em que você fica constrangido. O mundo deveria assumir um pouco mais de responsabilidade”, criticou o presidente brasileiro.

Lula afirmou que o Brasil “passou 13 anos no Haiti” e foi o único país “que colocou dinheiro vivo lá, 40 milhões de dólares”. Ele disse, ainda, que Brasil e Cuba “fizeram em parceria um hospital lá, mas os países que ficaram de dar contribuição não deram”.

“Ninguém quer governar o Haiti, porque as gangues não deixam ninguém governar. É um enfrentamento direto com as gangues”, prosseguiu. “Conversei com [Emmanuel] Macron [presidente da França] sobre a necessidade de alguém puxar uma pauta e colocar o Haiti no centro da discussão.”

Lula disse que pretende levar o debate sobre a crise no Haiti ao G20 e aos Brics, porque o país “não pode ficar à própria sorte”.

Esse país paga o preço de ser o primeiro país a conquistar a independência, o primeiro país em que os negros se libertaram. E o Haiti não consegue andar.”

Na semana passada, o ministro de Planejamento e Cooperação Externa do Haiti, Ricard Pierre, afirmou que o risco de guerra civil no país será bastante elevado sem a intervenção de uma força internacional que ajude a polícia.

“O governo solicitou ajuda internacional na forma de uma força armada robusta e com um mandato claro para apoiar a polícia nacional haitiana”, declarou Pierre, em uma conferência da ONU sobre o drama humanitário na nação caribenha. “O certo é que, se este pedido não for atendido em um prazo razoável, o risco de guerra civil é quase certo.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo