Mundo

Kremlin acusa Otan de ‘provocar’ a Ucrânia para prolongar o conflito

“Os países membros da Otan (…) estão dando uma nova reviravolta na escalada das tensões, e fazem-no deliberadamente”, disse o porta-voz presidencial russo, Dmitri Peskov

Foto: KENZO TRIBOUILLARD/AFP via Getty Images
Apoie Siga-nos no

O Kremlin afirmou, nesta quinta-feira (30), que os países membros da Otan estão “provocando” Kiev a prolongar o conflito na Ucrânia, cujos líderes pedem aos países ocidentais que consigam atingir a Rússia com as suas armas.

“Os países membros da Otan (…) estão dando uma nova reviravolta na escalada das tensões, e fazem-no deliberadamente”, disse o porta-voz presidencial russo, Dmitri Peskov.

“Eles provocam a Ucrânia por todos os meios possíveis para prolongar esta guerra sem sentido”, disse aos repórteres.

As declarações de Peskov coincidem com uma reunião informal dos ministros das Relações Exteriores da Otan em Praga, em meio a apelos do governo ucraniano aos seus aliados para que lhe permitam usar armas ocidentais para realizar ataques na Rússia.

Nas últimas semanas, a Ucrânia pressionou os seus apoiadores, começando pelos Estados Unidos, para que lhe permitissem utilizar as armas de longo alcance que forneceram para atingir alvos dentro da Rússia.

Os Estados Unidos e a Alemanha recusaram-se até agora a permitir que a Ucrânia realizasse ataques fora das suas fronteiras com as suas armas, temendo ser arrastados para um conflito direto com Moscou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo