Mundo

Justiça boliviana condena ex-ministros por complô contra Evo Morales

Dois ex-ministros da detida ex-presidente Jeanine Áñez admitiram responsabilidade no caso

EVO MORALES, EX-PRESIDENTE DA BOLÍVIA - JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL
Apoie Siga-nos no

Dois ex-ministros da detida ex-presidente da Bolívia Jeanine Áñez foram condenados a dois anos de prisão após admitirem responsabilidade em um suposto complô que levou à renúncia do ex-presidente Evo Morales em 2019, conforme determinado por um juiz nesta terça-feira 5.

O juiz criminal Helmer Laura proferiu sentença contra os ex-ministros Álvaro Coímbra (Justiça) e Rodrigo Guzmán (Energia), que foram detidos em março de 2021 junto com a ex-presidente na região amazônica de Beni.

Os ex-funcionários foram condenados pelos crimes de acobertamento e associação criminosa. De acordo com a acusação do Ministério Público, ambos tinham conhecimento de um plano para forçar a queda de Morales e não o denunciaram.

O então presidente Morales renunciou em novembro de 2019, em meio a protestos maciços e violentos devido a uma alegada fraude nas eleições daquele ano. O líder indígena (2006-2019), que sempre negou essas acusações, buscava a reeleição para um quarto mandato consecutivo até 2025.

Áñez, então segunda vice-presidente do Senado, assumiu a Presidência entre novembro de 2019 e novembro de 2020. Coímbra e Guzmán, detidos em uma prisão em La Paz, optaram por um processo judicial abreviado ao aceitar as acusações e evitar uma pena mais severa.

De acordo com seus advogados, os ex-ministros – os primeiros condenados pela crise de 2019 – já cumpriram antecipadamente a pena e em breve recuperarão sua liberdade.

Áñez responde na prisão pelos mesmos crimes, mas aguarda julgamento do mais alto tribunal penal da Bolívia na qualidade de ex-presidente e após autorização do Congresso bicameral.

Em outro julgamento, também relacionado à crise de 2019, Áñez foi condenada em junho de 2022 a 10 anos de prisão.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.