Mundo

Israel bombardeia Gaza antes de votação no Conselho de Segurança da ONU

Nações Unidas buscam termos para se chegar em um acordo de trégua na região; exército de Netanyahu, no entanto, não dá sinais de que vai interromper operações

Fumaça e estragos causados por ação de Israel na Faixa de Gaza. Foto: SAID KHATIB / AFP
Apoie Siga-nos no

Israel voltou a bombardear a Faixa de Gaza nesta terça-feira (20), antes de uma votação no Conselho de Segurança da ONU, onde a comunidade internacional tenta aprovar uma resolução sobre uma trégua dos combates no território palestino.

Testemunhas relataram bombardeios e combates nas primeiras horas de terça-feira no leste da Cidade de Gaza e em Khan Yunis, no sul do território.

“Os mísseis caem sobre nós. Quanto tempo mais um ser humano pode suportar?”, questionou Aiman Abu Shamali, que perdeu a mulher e a filha em um bombardeio em Zawaida, no centro de Gaza.

“As pessoas morrem de fome no norte e nós, aqui, morremos nos bombardeios”, afirmou.

Três agências da ONU apresentaram um alerta nesta terça-feira sobre a situação humanitária no território palestino cercado, governado desde 2007 pelo movimento islamista Hamas.

Também advertiram que a escassez de alimentos e as doenças podem provocar uma “explosão” de morte de crianças.

Mais de quatro meses após o início do conflito, quase 1,5 milhão de palestinos estão refugiados em Rafah, uma cidade do sul na fronteira com o Egito.

Israel anunciou que prepara uma ofensiva terrestre em larga escala contra Rafah, um plano que preocupa a comunidade internacional, que tenta negociar uma trégua.

O Conselho de Segurança da ONU deve votar nesta terça-feira uma resolução, apresentada pela Argélia, que o governo dos Estados Unidos, principal aliado de Israel, ameaça vetar.

O texto, ao qual a AFP teve acesso, exige “um cessar-fogo humanitário imediato que deve ser respeitado por todas as partes” e se opõe “ao deslocamento forçado da população civil palestina”, uma referência à saída de civis exigida por Israel antes da ofensiva contra Rafah.

Washington considera que esta resolução dificulta as negociações para obter uma nova trégua que também inclua a libertação dos reféns capturados pelo Hamas no ataque contra o sul de Israel, em 7 de outubro.

O ataque deixou 1.160 mortos, a maioria civis, segundo um balanço da AFP baseado em números divulgados pelas autoridades israelenses. O movimento islamista também sequestrou 250 pessoas, das quais 130 permanecem como reféns em Gaza, incluindo 30 que teriam falecido no cativeiro.

A ofensiva militar israelense em Gaza para “aniquilar” o Hamas deixou pelo menos 29.092 mortos, a maioria mulheres, adolescentes e crianças, segundo o Ministério da Saúde do território, controlado pelo movimento islamista.

O governo dos Estados Unidos apresentou ao Conselho de Segurança um texto alternativo à proposta da Argélia, na qual enfatiza o “apoio a um cessar-fogo temporário em Gaza”, segundo um rascunho ao qual a AFP teve acesso.

Também alerta que uma ofensiva terrestre em Rafah “provocará mais danos aos civis” e mais deslocamentos.

Crianças desnutridas

A cidade de Rafah é crucial porque é o principal ponto de entrada da ajuda humanitária, da qual depende a população deste território palestino, que está sob cerco total de Israel desde outubro.

Os ataques israelenses na cidade impedem as operações humanitárias e a entrega de alimentos está bloqueada pelos fechamentos frequentes da fronteira, segundo a Agência da ONU para os Refugiados Palestinos (UNRWA).

Crianças palestinas fazem fila para receber ajuda humanitária em Rafah, ao sul do enclave.
Foto: MOHAMMED ABED / AFP

Uma em cada seis crianças no norte de Gaza sofre desnutrição aguda, segundo o Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), uma situação que pode agravar o “nível insuportável de mortes de crianças”.

O ministro israelense Benny Gantz, integrante do gabinete de guerra, alertou no domingo que se os reféns não forem devolvidos até o Ramadã, “os combates continuarão em todas as partes, inclusive na área de Rafah”.

O mês sagrado muçulmano começa em 10 de março.

Os mediadores internacionais tentam evitar o ataque contra Rafah, mas as semanas de negociações conduzidas por Estados Unidos, Egito e Catar não alcançaram um acordo.

O Hamas ameaçou abandonar as negociações caso mais ajuda não seja enviada e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, rejeitou as exigências do movimento palestino.

Netanyahu descartou com veemência os pedidos para a inclusão do reconhecimento de um Estado palestino como parte do acordo, ao destacar que “colocaria em perigo a existência do Estado de Israel”.

Manifestantes israelenses tentaram bloquear o acesso dos caminhões de ajuda à fronteira entre Egito e Gaza para pressionar pela libertação dos reféns.

Um grupo de especialistas da ONU pediu uma investigação independente dos supostos abusos israelenses contra mulheres e crianças palestinas, incluindo assassinatos, estupros e agressões sexuais.

Israel classificou as acusações como “vis e sem fundamento”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo