Mundo

Israel bombardeia a Faixa de Gaza pelo 2º dia após o fim da trégua

Temores por um conflito regional aumentaram depois de o Ministério da Defesa da Síria denunciar bombardeios israelenses perto de Damasco

Registro de um ataque aéreo israelense contra a Faixa de Gaza em 2 de dezembro de 2023. Foto: John Macdougall/AFP
Apoie Siga-nos no

Israel lançou neste sábado 2 uma série de novos bombardeios contra a Faixa de Gaza, no segundo dia de ataques após o fim de uma semana de trégua com o Hamas. A pressão internacional para prorrogar o acordo não teve sucesso.

Após os bombardeios, várias colunas de fumaça subiam do enclave, onde, segundo o Ministério da Saúde local, 240 pessoas foram mortas e 650 ficaram feridas desde que a trégua expirou.

Os dois lados se acusaram mutuamente pelo fim da trégua. Israel alega que o Hamas tentou atacar seu território com foguetes durante o acordo e não apresentou uma lista de reféns a serem libertados.

“Agora estamos atacando alvos militares do Hamas em toda a Faixa de Gaza”, disse Jonathan Conricus, porta-voz das Forças de Defesa de Israel, neste sábado.

Já o braço armado do Hamas disse ter recebido “a ordem para retomar o combate” e “defender a Faixa de Gaza”, segundo o relato feito à agência AFP por uma fonte próxima ao grupo que pediu para não ser identificada.

Autoridades internacionais e grupos humanitários condenaram a volta dos combates. O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse lamentar “profundamente” o reinício das hostilidades.

Conflagração regional

Os temores por um conflito regional aumentaram depois de o Ministério da Defesa da Síria denunciar bombardeios israelenses perto de Damasco.

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos afirmou que dois combatentes próximos ao movimento libanês Hezbollah morreram nesses ataques. O Exército israelense não comentou.

Antes disso, o Hezbollah, aliado do Hamas, informou a morte de dois de seu membros em bombardeios israelenses no sul do Líbano, onde também morreu um civil.

A nova etapa da guerra começou em 7 de outubro, quando integrantes do Hamas invadiram o sul de Israel, deixaram cerca de 1.200 mortos e levaram aproximadamente 240 reféns.

Israel, então, prometeu aniquilar o Hamas e iniciou uma campanha de ataques aéreos e terrestres em Gaza que, segundo as autoridades do enclave, deixou mais de 15.000 mortos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.