Mundo

Israel afirma que propôs ao Hamas ‘opção’ para prolongar a trégua

Caso acordo não seja estendido, cessar-fogo deve terminar na terça-feira 28

Um prisioneiro palestino abraça sua mãe após ser libertado de uma prisão israelense em troca de reféns israelenses libertados pelo Hamas da Faixa de Gaza, em Ramallah, na Cisjordânia ocupada, em 26 de novembro de 2023. Foto: FADEL SENNA / AFP
Apoie Siga-nos no

Israel propôs “uma opção” ao movimento islamista palestino Hamas para prolongar a trégua que entrou em vigor na sexta-feira e deve terminar na terça-feira às 7h00 (2h00 no horário de Brasília), afirmou nesta segunda-feira (27) um porta-voz do governo israelense.

“Queremos receber outros 50 reféns após esta noite, como parte de nosso objetivo de trazer todos os reféns de volta para casa”, declarou Eylon Levy à imprensa, ao informar sobre a iniciativa israelense.

Liberar outros 50 reféns implicaria uma prorrogação de cinco dias.

Uma fonte próxima ao Hamas indicou no domingo à AFP que o movimento islamista palestino está disposto a estender “de dois a quatro dias” a trégua vigente.

“A resistência acredita que é possível garantir a libertação de entre 20 e 40 israelenses” neste tempo, assegurou a fonte.

Tanto Catar como o Egito atuam como mediadores nas negociações.

Uma fonte de segurança egípcia afirmou nesta segunda-feira que ambas as partes estavam em desacordo sobre a maneira de prorrogar o cessar-fogo. Enquanto Israel defende uma prorrogação dia por dia, o Hamas busca uma extensão de quatro dias.

O porta-voz do governo israelense afirmou que a campanha para “aniquilar o Hamas” seria retomada imediatamente após a trégua e libertação dos reféns.

“Foi, sem dúvida, a pressão militar israelense que levou o Hamas a aceitar a libertação desses reféns”, disse Levy.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.