Irã pede ajuda a Interpol para prender Trump por morte de general

A morte de Qasem Soleimani em janeiro gerou uma onda de protestos contra os EUA. Agora, Irã busca reparação

O presidente norte-americano Donald Trump Foto: Brendan Smialowski/AFP

O presidente norte-americano Donald Trump Foto: Brendan Smialowski/AFP

Mundo

O Irã pediu a Interpol para prender o presidente dos EUA, Donald Trump, e outras 35 autoridades americanas pela morte de um general iraniano em um ataque por drone em Bagdá em janeiro, informou o procurador-geral de Teerã nesta segunda-feira 29.

“Trinta e seis pessoas que participaram do assassinato de Jajj Ghasem (general Qasem Soleimani), incluindo oficiais políticos e militares dos Estados Unidos e de outros governos, foram identificadas”, informou o procurador-geral de Teerã, Ali Qasi Mehr.

“A autoridade judicial emitiu um mandado de prisão e solicitou um alerta vermelho da Interpol para essas pessoas”, acrescentou o procurador, especificando que tais pessoas serão buscadas por questão de “assassinato” e “ação terrorista”.

A Interpol disse à AFP que a organização não pode intervir em uma estrutura “política, militar, religiosa ou racial”, segundo o artigo 3 da sua Constituição, e que não examinará nenhum pedido desse tipo sem antes confirmar explicitamente o que foi requisitado pelo Irã.

Um alerta vermelho é uma solicitação às forças de segurança de todo o mundo para localizar e prender provisoriamente uma pessoa até que ela seja extraditada, entregue ou sofra ação judicial semelhante.

“No topo da lista está o presidente americano, Donald Trump, que será buscado mesmo após o final do seu mandato”, ressaltou o procurador, referindo-se às eleições presidenciais de novembro nos EUA.

 

Ali Qasi Mehr fez essa declaração durante uma reunião do Alto Conselho Judiciário presidida pelo diretor do sistema judicial iraniano, Ebrahim Raisi.

O general Qasem Soleimani, chefe da Força Qods – a unidade de elite encarregada das forças estrangeiras da Guarda Revolucionária – foi morto em 3 de janeiro em um ataque de drone perto do Aeroporto Internacional de Bagdá, junto com seu assessor iraquiano, Abu Mehdi al Muhandis, líder das forças paramilitares pró-iranianas naquele país.

Após o ocorrido, Trump garantiu que havia ordenado eliminá-lo, porque Soleimani estaria preparando ataques a diplomatas e militares americanos.

Em resposta, o Irã lançou mísseis em bases militares iraquianas que abrigavam americanos no último 8 de janeiro, gerando grande destruição, ainda que nenhum militar dos EUA tenha sido morto, segundo informações de Washington.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem