Mundo

Indonésia: campanha eleitoral usa inteligência artificial para recriar ditador morto

Vídeo mostra imagem de Hadji Mohamed Suharto, morto em 2008, em meio à disputa presidencial no país

Imagem do ditador Suharto, criada por Inteligência Artificial na Indonésia. Foto: Reprodução/X
Apoie Siga-nos no

O uso da Inteligência Artificial (IA) na campanha eleitoral na Indonésia levou o país a questionar os limites da ferramenta. 

No país, que vai às urnas nesta semana escolher o seu novo presidente, deputados e representantes regionais, um vídeo do ex-general Hadji Mohamed Suharto, que governou o país por 32 anos, já teve milhões de visualizações nas redes sociais. Acontece que Suharto faleceu em 2008, aos 86 anos.

“Eu sou Suharto, o segundo presidente da Indonésia”, diz a imagem do general no vídeo, que foi criado a partir de ferramentas de IA que reproduzem com fidelidade a voz e o rosto de uma pessoa.

“O vídeo foi feito para nos lembrar da importância dos nossos votos nas próximas eleições”, explicou Erwin Aksa, representante do Golkar, um dos partidos na disputa. 

A sigla não tem um candidato próprio à presidência, mas apoia Prabowo Subianto, que foi general do Exército durante o regime de Suharto e é o favorito na disputa. O atual presidente, Joko Widodo, não poderá concorrer à reeleição.

“Como membro do Golkar, tenho muito orgulho de Suharto porque ele desenvolveu com sucesso a Indonésia”, afirmou Aksa na plataforma X – antigo Twitter

Apesar do alto crescimento econômico registrado pela Indonésia em boa parte da gestão de Suharto, o seu período no poder também foi marcado por casos de corrupção e desrespeito aos direitos humanos.

Críticos do uso da imagem questionaram os limites morais da medida, especialmente por se tratar de propaganda de natureza política.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.