Mundo

Guerra em Gaza pode se estender até o fim do ano, diz alto funcionário israelense

Quase oito meses após o início da guerra, Israel enfrenta uma pressão internacional cada vez maior para alcançar uma trégua

Registro da destruição em uma escola gerida pela UNRWA na cidade de Gaza, em 7 de maio de 2024. Foto: AFP
Apoie Siga-nos no

Um alto funcionário da segurança israelense disse nesta quarta-feira 29 que a guerra na Faixa de Gaza para destruir o grupo islamista palestino Hamas pode se estender até o fim deste ano.

“Podemos ter mais sete meses de combates para consolidar o nosso sucesso e alcançar o que definimos como a destruição do poder e das capacidades militares do Hamas”, disse o conselheiro de Segurança Nacional, Tzachi Hanegbi.

“Para nós, a vitória significa destruir as capacidades militares do Hamas, trazer de volta todos os reféns e garantir que no final da guerra não haja mais ameaças de Gaza”, acrescentou, em declarações dadas no Chipre à emissora pública israelense Kan. “Em outras palavras, não haverá mais exércitos terroristas financiados pelo Irã em nossa fronteira.”

O conselheiro relatou discussões sobre o futuro de Gaza no período pós-guerra.

“Estamos tentando planejar o que acontecerá depois da guerra, para que os palestinos sejam responsáveis pelas suas próprias vidas”, afirmou.  “Seremos responsáveis pela segurança de Israel, mas não queremos governar em Gaza.”

Quase oito meses após o início da guerra, Israel enfrenta uma pressão internacional cada vez maior para alcançar uma trégua e também é alvo de vários processos nos tribunais internacionais com sede em Haia.

No entanto, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu permanece firme em sua determinação de “aniquilar” o Hamas, no poder na Faixa de Gaza desde 2007.

O conflito eclodiu em 7 de outubro, quando milicianos islamistas mataram 1.189 pessoas, a maioria civis, no sul de Israel, segundo um relatório da AFP baseado em dados oficiais israelenses.

Os combatentes também sequestraram 252 pessoas. Israel afirma que 121 continuam cativas em Gaza, das quais 37 teriam morrido.

Em resposta, Israel lançou uma ofensiva aérea e terrestre contra Gaza que até agora deixou 36.096 mortos, a grande maioria civis, segundo o Ministério da Saúde do governo do Hamas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo