Mundo

Governo Milei considera ‘equivocada’ decisão do TPI de ordenar prisão de Netanyahu

‘A decisão coloca em questão o direito à legítima defesa exercido por Israel’, disse o Ministério das Relações Exteriores argentino

O presidente da Argentina, Javier Milei. Foto: Juan Mabromata/AFP
Apoie Siga-nos no

O governo argentino rejeitou, nesta quarta-feira 22, a decisão do procurador do Tribunal Penal Internacional (TPI) de solicitar a prisão do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e de seu ministro da Defesa por supostos crimes de guerra e contra a humanidade.

“A Argentina considera equivocada e rejeita a equiparação que o procurador faz entre autoridades legítimas de um Estado democrático com líderes de uma organização terrorista responsável por crimes brutais”, indicou o Ministério das Relações Exteriores em um comunicado.

O procurador do TPI, Karim Khan, solicitou na segunda-feira ordens de prisão contra Netanyahu e seu ministro Yoav Gallant por “matar deliberadamente civis de fome”, “homicídio intencional” e “extermínio e/ou assassinato” na Faixa de Gaza.

Khan também pediu ordens de prisão contra três líderes do movimento palestino Hamas por crimes como “extermínio”, “estupro e outros atos de violência sexual” e “tomada de reféns como crime de guerra” em Israel e Gaza.

“A decisão coloca em questão o direito à legítima defesa exercido por Israel”, escreveu o Ministério das Relações Exteriores argentino, e “acrescenta obstáculos aos esforços para conseguir a libertação dos reféns ainda nas mãos do Hamas, a chegada de ajuda humanitária e uma solução de longo prazo para a crise”.

A guerra entre Israel e o Hamas em Gaza eclodiu em 7 de outubro, quando comandos islamistas perpetraram um ataque no sul de Israel, que causou a morte de mais de 1.170 pessoas, na sua maioria civis, segundo um levantamento da AFP a partir de números oficiais israelenses.

Mais de 250 pessoas foram capturadas e 124 permanecem sequestradas em Gaza, das quais se acredita que 37 morreram, segundo o Exército israelense.

Até agora, 35.709 palestinos, principalmente civis, morreram na ofensiva de retaliação lançada por Israel, segundo dados do Ministério da Saúde de Gaza, um território governado pelo Hamas desde 2007.

O presidente Javier Milei reafirmou o alinhamento geopolítico da Argentina com os Estados Unidos e Israel e ofereceu sua solidariedade “inabalável” a este país.

Um dos seus primeiros destinos como presidente foi Israel, onde Milei mostrou sua proximidade com o país e seu interesse espiritual no judaísmo. Ele também viajou aos Estados Unidos para receber o prêmio de “Embaixador da Luz”, entregue pela comunidade judaica ortodoxa Chabad Lubavitch.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo