Mundo

Governo britânico felicita Milei, mas lembra que Malvinas ‘é uma questão resolvida’

O libertário Milei obteve 55% dos votos ante 44% do ministro da Economia, o peronista de centro Sergio Massa, segundo resultados parciais oficiais

O presidente eleito da Argentina, Javier Milei. Foto: Luis Robayo/AFP
Apoie Siga-nos no

O porta-voz do primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, afirmou nesta segunda-feira 20 que o seu governo felicitou Javier Milei pela vitória nas eleições argentinas, mas lembrou que a disputa entre os dois países pela soberania das Ilhas Malvinas “é uma questão resolvida”.

“Transmitimos as nossas felicitações” ao presidente eleito pela sua vitória, disse o porta-voz no seu discurso à imprensa.

“Como membros do G20 e com uma parceria comercial próspera, esperamos desenvolver uma relação forte e produtiva”, acrescentou.

O economista de extrema direita Javier Milei venceu as eleições presidenciais da Argentina no domingo 19, uma vitória contundente que ocorreu em um contexto de forte incerteza no país, imerso em sua pior crise econômica em duas décadas.

O libertário Milei obteve 55% dos votos ante 44% do ministro da Economia, o peronista de centro Sergio Massa, segundo resultados parciais oficiais.

A Argentina é governada desde 2003 pelo peronismo de centro-esquerda de Néstor e Cristina Kirchner, exceto por um intervalo de quatro anos do governo do direitista Mauricio Macri (2015-19).

Em relação às reivindicações argentinas sobre a soberania das Malvinas, o porta-voz do primeiro-ministro britânico foi contundente.

“Não vi os comentários mais recentes sobre isso. Acho que (Milei) levantou vários pontos diferentes sobre isso durante a campanha”, respondeu o porta-voz à pergunta de um repórter sobre o assunto.

“Da nossa parte, é obviamente uma questão que está resolvida há algum tempo. Não há planos para rever isso. A posição das Ilhas Malvinas está resolvida há algum tempo e não vai mudar”, disse ele.

Durante a campanha, Milei havia dito, em declarações divulgadas pelo jornal La Nación no dia 13 de novembro, que “tivemos uma guerra que perdemos e temos que fazer todos os esforços para recuperar as ilhas pelos canais diplomáticos. Óbvio que eu vou defender as Malvinas”.

Esse arquipélago do Atlântico Sul, localizado a 400 quilômetros da costa argentina e a quase 13 mil quilômetros do Reino Unido, foi palco de uma guerra de 74 dias em 1982, que deixou 649 argentinos e 255 britânicos mortos.

Em 2013, em um referendo realizado no território de apenas 2.000 habitantes, 99,8% dos eleitores votaram pela permanência sob controle britânico.

A Argentina defende que as ilhas, herdadas da coroa espanhola após a sua independência, foram ocupadas pelas tropas britânicas em 1833.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.