Governo Biden deve revelar papel dos EUA no impeachment de Dilma, diz economista

Para Mark Weisbrot, se eleito, candidato democrata também pode abrir informações sobre a participação dos norte-americanos na Lava Jato

"Biden deve responder imediatamente a essas perguntas e divulgar todas as informações sobre o envolvimento do governo dos Estados Unidos". (Foto: ALEX WONG / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFP)

Mundo

Co-diretor do Centro de Pesquisa Econômica e Política em Washington, um dos thinks thanks mais influentes dos Estados Unidos, Mark Weisbrot se dedicou nos últimos anos a entender também a política e a economia da América Latina.

 

 

Na entrevista a seguir, Weisbrot discorre sobre as chances de reeleição de Trump, os reflexos do movimento “Vidas Negras Importam” no resultado das urnas e o que o governo Bolsonaro pode esperar se o candidato do Partido Democrata, Joe Biden, vencer a disputa.

 

CartaCapital: Entre Donald Trump e Joe Biden, quem tem o plano mais convincente para recuperar a economia dos EUA?

Mark Weisbrot: Os democratas claramente têm um plano melhor. É muito difícil prever o que Trump faria, pois ele vai além até mesmo do mais oportunista dos presidentes anteriores ao não ter nenhum objetivo político discernível ou crenças além de seu próprio autoengrandecimento. Então, temos de considerar as ideias do Partido Republicano. E, no momento, o partido prevalece sobre a disposição anterior de Trump de violar o conservadorismo fiscal neoliberal convencional, muitas vezes inconsistente. O governo Trump promoveu déficits fiscais de 4,9% do PIB anualmente, quando o desemprego estava no menor nível em 50 anos, algo que nenhum presidente “normal” faria.

 

CC: E como os republicanos se comportam neste caso?

MW: Os republicanos rejeitaram um pacote de ajuda de 3 trilhões de dólares aprovado em maio pela Câmara, controlada pelos democratas. O resultado imediato foi retirar um benefício de seguro-desemprego federal de 600 dólares semanais, que constituía a maior parte da renda de dezenas de milhões de desempregados. Os democratas, por outro lado, apoiaram o projeto de lei de alívio de 3 trilhões, que inclui uma extensão do seguro-desemprego e cerca de 900 bilhões para governos estaduais e locais. Isso indica, no momento, uma grande diferença entre as duas partes. De certa forma, esse é um momento muito importante para a política macroeconômica dos Estados Unidos, mas os democratas no poder têm uma chance muito melhor de fazer o que é necessário para a recuperação econômica. Qualquer recuperação, claro, dependerá do caminho da pandemia Covid-19. Também está claro que o governo Trump administrou mal o problema, desde o início. Seria outro motivo para esperar uma chance melhor de recuperação econômica com os democratas.

 

CC: Como um velho conhecido dos americanos, tanto por servir seis mandatos consecutivos como senador quanto por ser vice-presidente na chapa com Barack Obama, a imagem de Joe Biden é difícil de desconstruir. Não por acaso, Trump e seus estrategistas de campanha já decidiram que o alvo a ser atacado é Kamala Harris, que atualmente sofre ataques racistas e sexistas – uma estratégia que funcionou no passado. Mas o que Biden e os progressistas não imaginaram é que uma parte significativa de seus aliados questionaria a própria chapa, colocando em questão a escolha de Harris. Houve um erro estratégico ao escolher Kamala Harris ou a escolha poderia ser atraente para o eleitorado de Trump? Os Estados Unidos estão preparados para ter uma mulher como vice-presidente?

MW: Não há dúvida de que Trump está repetindo seus ataques sexistas, que usou contra Hillary Clinton, combinados com uma dose de racismo que faz parte de seu modus operandi, contra Kamala Harris. Não está claro se isso terá muito impacto, no entanto. Não há tantos eleitores indecisos ou “indecisos” nesta disputa, e a vasta maioria daqueles que poderiam ser persuadidos por esse tipo de apelo não votará em um democrata para presidente. Quanto ao eleitorado como um todo, uma pesquisa Gallup no ano passado revelou que 94 por cento disseram que votariam em uma mulher para presidente. Isso não quer dizer que os republicanos não tentarão usar o sexismo e o racismo contra Kamala Harris, ou que tais tentativas sejam irrelevantes. Quanto ao histórico de Kamala Harris como promotora, ou outras críticas levantadas por candidatos concorrentes ou outros durante as primárias democratas, é improvável que isso seja um problema significativo entre os democratas daqui para frente, já que os eleitores democratas estão se unindo em torno da chapa Biden-Harris.

 

CC: Trump tem lançado dúvidas sobre o voto via Correios. Quais os riscos desse discurso para a democracia dos EUA?

MW: A tentativa de Trump de sabotar a capacidade dos Correios de realizar uma votação postal em tempo hábil é muito mais uma forma de tentativa de golpe. Ele declarou abertamente intenções de impedir a votação por esse método. Cerca de 62% dos apoiadores de Biden planejam votar pelo correio, mas apenas 24% dos apoiadores de Trump o fazem. Assim, os esforços de seu chefe dos Correios, General DeJoy, importante doador de Trump e dos republicanos, para reduzir a capacidade de entregar dezenas de milhões de cédulas poderiam facilmente fazer a eleição pender para Trump, caso consigam. Este é um perigo real. Os democratas resistem no Congresso e, depois que alguns parlamentares ameaçaram DeJoy com uma investigação criminal, ele prometeu não reduzir ainda mais a capacidade dos Correios. Mas as alterações anteriores, que incluem a redução do equipamento de classificação de correspondência, não foram revertidas. Portanto, os democratas terão que fazer muito mais para garantir o voto dos eleitores. As chances de Trump permanecer no cargo caso perca nas urnas, por meio de uma intervenção, são muito pequenas, pois os militares em sua maioria não gostam dele ou não o respeitam.

 

CC: Como os protestos do movimento “Vidas Negras Importam” vão influenciar as eleições?

MW: Segundo uma pesquisa do jornal New York Times, o “Vidas Negras Importam” pode ter sido o maior movimento de protesto na história dos EUA, com entre 15 milhões e 25 milhões de participantes. Não está claro, porém, o impacto dos protestos nas eleições. É provável que seja significativo, pois a população em geral apoiou as manifestações e a cobertura e discussão aumentou a conscientização sobre o racismo sistêmico e institucional. O Partido Republicano sempre buscou usar apelos racistas mal disfarçados para conquistar os votos da classe trabalhadora branca, que muitas vezes foram decisivos nas eleições nacionais dos Estados Unidos. A resposta hostil de Trump e do partido diante dos protestos recentes destacou parte do racismo da legenda e tende a mobilizar a base democrata, incluindo alguns dos próprios milhões de manifestantes.

 

 

Reeleição de Trump seria terrível para Brasil, EUA e mundo, diz economista (Foto: Kena Betancur / AFP)

 

CC: Como a eleição de Biden influenciaria as relações EUA-Brasil?


MW: Trump faz tudo o que pode para apoiar Bolsonaro, inclusive com a designação do Brasil como “Grande Aliado Não-OTAN” e com a defesa da admissão do Brasil na Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Além disso, incorporou seu governo a uma aliança que buscou uma mudança de regime na América Latina, mais recentemente, na derrubada do governo democraticamente eleito da Bolívia por um golpe militar. Todas essas políticas de colaboração antidemocrática com governos da região, Brasil incluído, devem cessar imediatamente. É importante ressaltar que o Departamento de Justiça dos Estados Unidos desempenhou um papel importante nas investigações da Lavo Jato e na perseguição política e no golpe contra Dilma Rousseff, Lula e o Partido dos Trabalhadores. Integrantes do Congresso dos EUA exigiram que o Departamento de Justiça “explique o escopo de seu envolvimento no caso poluído e politizado contra o ex-presidente do Brasil Lula da Silva, e a ampla investigação de corrupção da Lava Jato”. O governo Biden deve responder imediatamente a essas perguntas e divulgar todas as informações sobre o envolvimento do governo dos Estados Unidos na investigação, no golpe parlamentar e em quaisquer outras intervenções políticas contra o PT. Claro que por todas essas razões uma reeleição de Trump seria terrível para o Brasil, como para os Estados Unidos e o mundo.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem