Mundo

Funcionário do governo do Paraguai é destituído por assinar convênio com país fictício

Arnaldo Chamorro se reuniu com representantes dos ‘Estados Unidos de Kailasa’

Palácio Presidencial do Paraguai, em Assunção. Foto: Norberto Duarte/AFP
Apoie Siga-nos no

Um engenheiro agrônomo, chefe de gabinete do Ministério da Agricultura e Pecuária do Paraguai, foi destituído após ser revelado que ele assinou um convênio com representantes dos “Estados Unidos de Kailasa”, um país inexistente.

“Eles vieram e expuseram a intenção de ajudar o Paraguai. Trouxeram vários projetos, vieram oferecer sua ajuda, nós os ouvimos e foi isso que aconteceu”, disse o funcionário Arnaldo Chamorro à imprensa logo após ser destituído na quarta-feira e admitir que foi enganado.

O funcionário se reuniu em meados de outubro com duas pessoas que se apresentaram como emissários dos “Estados Unidos de Kailasa” e que descreveram esse suposto país como uma nação localizada em uma ilha do norte da América do Sul.

O país fictício seria liderado por um guru da Índia, identificado como Nithyananda Paramashivam, um fugitivo da justiça de seu país, segundo a imprensa.

Chamorro revelou que os ’emissários’ também foram recebidos pelo ministro da Agricultura e Pecuária do Paraguai, Carlos Giménez.

“Felicito o honorável Nithyananda Paramashivam, soberano dos Estados Unidos de Kailasa, e aprecio suas contribuições ao hinduísmo, à humanidade e à República do Paraguai”, expressou Chamorro em um documento que leva o selo de seu ministério.

No documento, o funcionário se comprometia a ativar o estabelecimento de relações diplomáticas do Paraguai com Kailasa e a promover seu reconhecimento na ONU como um Estado independente.

O incidente lembrou a gafe cometida em 2019 pelo ex-presidente Mario Abdo Benítez (2018-2023), que recebeu um falso representante da famosa montadora de carros de luxo Lamborghini no Palácio do Governo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.