Mundo

Finlândia quer adesão “sem demora” à Otan; Suécia também deve quebrar neutralidade militar

Desde o início da invasão das tropas russas na Ucrânia e com as ameaças de Moscou de instalar armas nucleares na região do Báltico caso a Finlândia e Suécia entrem na Otan, a sensação de vulnerabilidade explodiu nos dois países

Soldados finlandeses durante o exercício Arrow 22 na guarnição de Niinisalo em Kankaanpää, oeste da Finlândia. O presidente finlandês Sauli Niinisto e a primeira-ministra Sanna Marin expressaram seu apoio à adesão à OTAN.
Soldados finlandeses durante o exercício Arrow 22 na guarnição de Niinisalo em Kankaanpää, oeste da Finlândia. O presidente finlandês Sauli Niinisto e a primeira-ministra Sanna Marin expressaram seu apoio à adesão à OTAN. "A adesão à OTAN fortaleceria a segurança da Finlândia." Foto: Heikki Saukkomaa / Lehtikuva / AFP
Apoie Siga-nos no

Uma revisão histórica da política de segurança da Suécia e da Finlândia, países tradicionalmente não-alinhados durante a Guerra Fria, avança nesta quinta-feira (12). O presidente e o primeiro-ministro finlandeses anunciaram serem favoráveis a uma adesão “sem demora” à Otan, a aliança militar atlântica. Em reação a esta movimentação, que deve ser seguida pela Suécia, a Rússia deve subir o tom.

A decisão finlandesa será formalizada já neste domingo (15) à organização, conforme um comunicado conjunto do presidente Sauli Niinistö e a premiê Sanna Marin. “Ser membro da Otan reforçaria a segurança na Finlândia. Enquanto membro da Otan, a Finlândia reforçaria a aliança no seu conjunto”, explicou o texto, divulgado nesta manhã.

O país, que tem 1,3 mil quilômetros de fronteiras terrestres com a Rússia, já vinha sinalizando a intenção de abrir mão da neutralidade adotada após a amarga derrota para a União Soviética durante a Segunda Guerra Mundial. Os 200 anos de neutralidade militar da vizinha Suécia também podem estar com os dias contados.

Sem levar em consideração o passado de guerras dos vikings, os nórdicos são um povo pacífico. No ranking do Índice Global da Paz, que mede a paz no mundo, suecos e finlandeses estão sempre em ótimos patamares, apesar da recente onda de violência entre gangues rivais na Suécia. No entanto, desde o início da invasão das tropas russas na Ucrânia e com as ameaças de Moscou de instalar armas nucleares na região do Báltico caso a Finlândia e Suécia entrem na Otan, a sensação de vulnerabilidade explodiu nos dois países.

Na sequência, o apoio finlandês sobre a adesão à Otan saltou para um recorde de 76%, segundo a última pesquisa de opinião divulgada pela emissora pública do país, YLE. Assim como na Suécia, a Guerra na Ucrânia fez 57% da população se tornar a favor da candidatura do país à aliança militar.

Os próximos passos

Os partidos governantes de ambos países – Suécia e Finlândia – se posicionarão sobre a questão no final de semana. Se for um sim, ambos os parlamentos terão maiorias claras a favor da adesão e o processo de candidatura pode começar.

Na quarta-feira (11), o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, esteve em Helsinque e prometeu apoio, que pode incluir meios militares. Johnson assinou um acordo de defesa e proteção mútua em caso de agressão da Rússia.

“Isso não é um jogo de soma-zero. Se a Finlândia incrementar sua segurança, não será em detrimento de nada”, declarou o chefe de Estado finlandês. Mais cedo, Johnson, esteve em Harpsund, na residência de campo da primeira-ministra sueca, Magdalena Andersson, onde firmaram um acordo semelhante. As garantias mútuas de segurança com a Suécia e a Finlândia, que prevê a partilha de informação e exercícios militares em conjunto, pretendem reforçar a defesa do norte da Europa diante da ameaça da Rússia, além de enfrentar novos desafios geopolíticos, como ameaças híbridas e cibernéticas.

No mês passado, o Parlamento finlandês publicou um relatório afirmando que a adesão à Otan poderia resultar em um “aumento das tensões na fronteira entre a Finlândia e a Rússia”.

“Sisu” traduz alma finlandesa

O presidente russo, Vladimir Putin, tem usado a narrativa da perspectiva de expansão da Otan para a Ucrânia para justificar a guerra. Certamente, a adesão dos países nórdicos seria vista como uma provocação pelo Kremlin.

Porém, existe um conceito que define bem a personalidade dos finlandeses: “sisu”, termo que faz referência a uma determinação acima do normal para lidar com as adversidades. Este conceito tão enraizado na cultura do país se popularizou na Guerra do Inverno, quando a União Soviética invadiu a Finlândia, no final de 1939. Por mais de três meses, o exército finlandês resistiu bravamente, apesar das forças soviéticas serem muito maiores.

A Finlândia conseguiu evitar a ocupação, mas perdeu 10% do seu território. Hoje, os finlandeses relembram o passado e se indagam se isso poderia acontecer de novo. Nos últimos anos, a Suécia tem se sentindo ameaçada com várias violações do espaço aéreo relatadas por aeronaves militares russas. Em 2014, um submarino russo foi identificado no arquipélago de Estocolmo.

Após esses episódios, o exército da Suécia voltou a ocupar a estratégica ilha de Gotland, no mar Báltico. Quando o governista Partido Social-Democrata da Suécia – maior partido do país nos últimos 100 anos – anunciar sua posição, no domingo, 15, provavelmente será o primeiro passo concreto para que o pedido formal à Otan se materialize na cúpula da aliança em junho, em Madri.

Com informações da AFP

RFI

RFI
Rádio pública francesa que produz conteúdo em 18 línguas, inclusive português. Fundada em 1931, em Paris.

Tags: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.