Mundo

Exercícios militares e pedidos de diálogo: disputa Venezuela-Guiana preocupa comunidade internacional

A disputa pelo Essequibo ganhou força após a descoberta de jazidas de petróleo em 2015

Vista aérea do rio Esequibo correndo em um trecho da floresta amazônica na região de Potaro-Siparuni, na Guiana. Foto: Patrick Fort/AFP
Apoie Siga-nos no

Os Estados Unidos anunciaram na quinta-feira (7) exercícios aéreos militares na Guiana, em meio à tensão crescente entre Georgetown e Caracas devido a uma disputa territorial antiga, enquanto a comunidade internacional pediu uma distensão.

A embaixada dos Estados Unidos na Guiana informou que, “em colaboração com a Força de Defesa guianense, o Comando Sul conduzirá operações de voo dentro da Guiana em 7 de dezembro”.

“Esse exercício se baseia em compromissos e operações de rotina para melhorar a associação de segurança entre os Estados Unidos e a Guiana e fortalecer a cooperação regional”, afirma o comunicado.

O vice-presidente da Guiana, Bharrat Jagdeo, disse que não especularia sobre o assunto. “Posso assegurar, no entanto, que cada movimento dos venezuelanos é rastreado, principalmente em nossas fronteiras”, ressaltou, em entrevista coletiva.

O ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padrino López, rechaçou os exercícios. “Essa provocação infeliz dos Estados Unidos em favor dos pretorianos da ExxonMobil na Guiana é outro passo na direção incorreta. Advertimos que não nos desviarão de nossas futuras ações para a recuperação do Essequibo. Não se equivoquem!, publicou Padrino na rede social X.

Na quarta-feira, Caracas havia acusado o presidente da Guiana, Irfaan Ali, de autorizar bases militares americanas no Essequibo.

A Casa Branca, no entanto, afirmou que se opõe à “violência” na disputa territorial. “Obviamente não queremos que ocorra violência ou conflito entre as partes”, disse o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, John Kirby, aos jornalistas.

O secretário de Estado americano, Antony Blinken, conversou com Ali na quarta-feira “para reafirmar o apoio inabalável dos Estados Unidos à soberania da Guiana”, informou o Departamento de Estado.

“Não precisamos de conflito”

Em declaração conjunta, Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai, Chile, Colômbia, Equador e Peru pediram um diálogo entre Guiana e Venezuela e a busca por uma solução pacífica.

“Uma coisa que não queremos aqui na América do Sul é guerra, nós não precisamos de conflito”, disse o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O Brasil reforçou a presença militar nas fronteiras com Guiana e Venezuela.

O chefe da diplomacia da Grã-Bretanha, David Cameron, afirmou que a Venezuela não tem motivos para justificar uma ação unilateral e chamou de “retrógrada” a reivindicação venezuelana.

“Retrógrada é a penúria política, econômica e social em que está o Reino Unido (…) pela qual David Cameron é diretamente responsável”, respondeu a vice-presidente venezuelana, Delcy Rodríguez, na rede social X.

A Venezuela organizou no domingo um referendo em que mais de 95% das pessoas que participaram aprovaram a criação de uma província venezuelana no Essequibo e a concessão da nacionalidade aos 125 mil habitantes daquela região.

Após a consulta, o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, propôs uma lei para criar uma província venezuelana na área disputada. Ele também ordenou que a concessão de licenças para extrair petróleo bruto em Essequibo.

A disputa pelo Essequibo ganhou força depois que a petroleira americana ExxonMobil descobriu jazidas de petróleo importantes, em 2015.

Em meio à escalada, cinco militares morreram e outros dois sobreviveram a um acidente de um helicóptero do Exército da Guiana que perdeu contato na quarta-feira a 45 km da fronteira entre os dois países, em Essequibo, informou a força de defesa da Guiana.

O chefe das Forças Armadas guianenses, Omar Khan, disse à AFP que não há dados que “sugiram” que a Venezuela tenha algo a ver com o desaparecimento da aeronave, que será investigado.

Reunião do Conselho de Segurança

A Venezuela afirma que o Essequibo faz parte de seu território, como em 1777, quando era colônia da Espanha, e apela ao acordo de Genebra. Este último foi assinado em 1966, antes da independência da Guiana do Reino Unido, que estabeleceu as bases para uma solução negociada e anulando um laudo de 1899.

A Guiana defende esse laudo e pede que ele seja ratificado pela Corte Internacional de Justiça (CIJ), cuja jurisdição é desconhecida por Caracas.

A pedido da Guiana, o Conselho de Segurança da ONU se reunirá a portas fechadas nesta sexta-feira para discutir o conflito territorial, segundo a agenda oficial.

Em carta à qual a AFP teve acesso, o chanceler guianense, Hugh Hilton Todd, solicitou ao Conselho de Segurança “uma reunião urgente”.

Enquanto isso, no âmbito da cúpula do Mercosul realizada no Rio de Janeiro, Lula propôs a mediação da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) na disputa e pediu aos seus homólogos da Argentina, Uruguai e Paraguai que chegassem a uma declaração conjunta.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo