Evo Morales diz temer que Bolívia entre em guerra civil

Ex-presidente está no México, após aceitar asilo oferecido pelo governo do país

Ex-presidente da Bolívia, Evo Morales. Foto: PEDRO PARDO / AFP

Ex-presidente da Bolívia, Evo Morales. Foto: PEDRO PARDO / AFP

Mundo

O ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, afirmou que teme uma guerra civil em seu país, após protestos decorrentes da sua renúncia, mesmo com a reeleição. Morales fez a declaração à agência espanhola Efe.

Segundo Morales, “grupos violentos” podem incentivar que o país entre em um conflito.

“Eu tenho muito medo. Em nosso governo, unimos o campo e a cidade, leste e oeste, profissionais e não profissionais. Agora, grupos violentos estão chegando”, disse o ex-presidente.

Morales está no México após aceitar o asilo oferecido pelo governo de Manuel López Obrador, presidente do país. Segundo o ex-presidente boliviano, há informações sobre a atuação de “paramilitares organizados” e “membros de gangues e viciados em drogas pagos” pela direita do país para cometer atos de violência.

 

No sábado 16, a Alta Comissária da Organização das Nações Unidas (ONU), Michelle Bachelet, condenou o “uso desnecessário e desproporcional da força pela polícia e pelo Exército” que, segundo ela, pode levar a situação a “sair do controle”.

Em 15 de novembro, o presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, escreveu nas redes sociais que médicos cubanos que trabalham na Bolívia são alvo de assédio e violência.

O Ministério das Relações Exteriores da ilha caribenha publicou uma nota em que informa a retirada de centenas de profissionais do país, após acusações de que os colaboradores financiavam protestos a favor de Evo Morales.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem