Mundo

Esquerda deseja criar ‘frente popular’ para eleições antecipadas na França

O Partido Socialista, o Partido Comunista, Os Ecologistas e A França Insubmissa comprometeram-se a apresentar “candidaturas únicas no primeiro turno”, marcado para 30 de junho

Jean-Luc Melenchon, que liderou a última frente popular de esquerda na França, em 2022. Foto: Geoffroy VAN DER HASSELT / AFP)
Apoie Siga-nos no

Os principais partidos de esquerda na França defenderam na segunda-feira à noite a criação de uma “nova frente popular” nas eleições legislativas antecipadas, que o presidente Emmanuel Macron convocou de maneira inesperada após a vitória da extrema-direita nas eleições europeias.

Após várias horas de negociações, o Partido Socialista, o Partido Comunista, Os Ecologistas e A França Insubmissa (LFI, esquerda radical) comprometeram-se a apresentar “candidaturas únicas no primeiro turno” das eleições, marcado para 30 de junho, uma semana antes do segundo turno, em 7 de julho.

“Pedimos a constituição de uma nova frente popular que reúna, de forma inédita, todas as forças de esquerda humanistas, sindicais, associativas e cidadãs”, afirma um comunicado conjunto publicado após a reunião em Paris.

As quatro legendas já disputaram unidas as eleições legislativas de 2022, na aliança Nova União Popular Ecológica e Social (Nupes), então liderada pelo esquerdista Jean-Luc Mélenchon, que meses antes havia ficado em terceiro lugar nas eleições presidenciais.

Porém, a aliança chegou ao fim devido às divergências entre sua ala social-democrata e a ala mais radical, o que deixou o partido de ultradireita Reunião Nacional (RN) como a principal força de oposição na Assembleia Nacional (Câmara Baixa).

As eleições europeias mudaram o equilíbrio de forças, com o avanço da ala social-democrata: os socialistas foram os mais votados na esquerda, com 13,83% dos votos, à frente da LFI (9,89%), dos ecologistas (5,5%) e dos comunistas (2,36%).

O anúncio aconteceu no momento em que centenas de jovens, que compareceram a um protesto contra a extrema-direita na capital francesa, estavam reunidos em frente ao local da reunião para pressionar por um acordo.

“Somos um país que hoje se levanta para dizer não à extrema-direita”, afirmou o líder socialista Olivier Faure. “Mostramos a nossa vontade de concorrer unidos para propor uma alternativa a Emmanuel Macron”, acrescentou Manuel Bompard, líder da LFI.

As eleições legislativas e presidencial de 2022 deixaram a França dividida em três blocos: a aliança centrista de Macron, a extrema-direita de Marine Le Pen e a esquerda, mas os resultados das eleições europeias reavivaram o medo da chegada do partido RN ao poder.

A legenda recebeu 31,37% dos votos, muito à frente dos 14,60% do partido de Macron. Duas pesquisas sobre as eleições legislativas mostram o RN com 33-34% das intenções de voto. Segundo a ‘Harris Interactive’, o partido conseguiria entre 235 e 265 dos 577 deputados, contra quase 90 no atual Parlamento.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo