Mundo

Especialistas da ONU pedem para investigar crimes de guerra no conflito entre Israel e Hamas

Os relatores especiais da ONU também enfatizaram que os crimes de guerra e os crimes contra a humanidade não prescrevem e são de jurisdição universal

Palestinos inspecionam a destruição causada por ataques israelenses em suas casas na aldeia de Khuzaa, a leste de Khan Yunis, perto da cerca da fronteira entre Israel e o sul da Faixa de Gaza, em 27 de novembro. Créditos: SAID KHATIB / AFP
Apoie Siga-nos no

Especialistas em direitos humanos da ONU pediram, nesta segunda-feira 27, investigações independentes sobre “acusações de crimes de guerra e crimes contra a humanidade” de ambos os lados do conflito entre Israel e o Hamas.

Em um comunicado, Morris Tidball-Binz, relator especial das Nações Unidas sobre execuções extrajudiciais, e Alice Jill Edwards, relatora especial sobre tortura, destacam a necessidade de essas investigações serem “rápidas, transparentes e independentes”.

Estes especialistas são contratados pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU, mas não falam em nome da organização.

“Os investigadores independentes devem receber os recursos, o apoio e o acesso necessários para conduzir investigações rápidas, profundas e imparciais sobre os crimes que foram cometidos por todas as partes no conflito”, afirmaram Tidball-Binz e Jill Edwards no comunicado.

“O dever de investigar os crimes de guerra e crimes contra a humanidade […] é uma obrigação jurídica fundamental”, observaram, no último dia de trégua em Gaza, que poderá ser prolongada.

O conflito entre Israel e o Hamas começou com os ataques do movimento islamista palestino em 7 de outubro em solo israelense, durante os quais, segundo as autoridades israelenses, 1.200 pessoas morreram, na sua maioria civis.

O Exército israelense estima que 240 pessoas foram sequestradas pelo Hamas e outros grupos armados durante o ataque.

Em retaliação, Israel, que prometeu “aniquilar” o Hamas, lançou uma campanha de bombardeios em Gaza e uma operação terrestre até a última sexta-feira, momento em que começou a trégua de quatro dias acordada entre ambos os lados. Segundo o governo do Hamas, os bombardeios israelenses mataram quase 15.000 pessoas na Faixa de Gaza.

Sob o acordo de trégua, cerca de cinquenta reféns israelenses foram libertados desde sexta-feira em troca da libertação de 150 prisioneiros palestinos detidos em Israel.

Os relatores especiais da ONU também enfatizaram que os crimes de guerra e os crimes contra a humanidade não prescrevem e são de jurisdição universal.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.