Espanha substitui Chile como sede da conferência do clima COP25

Presidente espanhol, Pedro Sánchez, assumiu a organização da conferência mundial mais importante sobre o combate às mudanças climáticas

Presidente da Espanha, Pedro Sánchez - Foto: Oscar Del Pozo/AFP

Presidente da Espanha, Pedro Sánchez - Foto: Oscar Del Pozo/AFP

Mundo

A Espanha vai sediar a COP25, conferência mundial mais importante sobre o combate às mudanças climáticas, no lugar do Chile, que precisou cancelar a organização do evento, previsto de 2 a 13 de dezembro, pela crise social e política que atravessa.

“Nos alegra anunciar que a Mesa da COP acordou que a COP25 será realizada de 2 a 13 de dezembro em Madri”, tuitou Patricia Espinosa, secretária-executiva da ONU Mudanças Climáticas.


O presidente do Chile, Sebastián Piñera, tinha sido obrigado a anunciar o cancelamento do evento, assim como de outra grande conferência internacional: a cúpula do Fórum de Cooperação Ásia-Pacífico (APEC).

O anúncio de Piñera, cujo governo enfrenta distúrbios que deixaram quase 20 mortos em três semanas, representou um duro golpe para a imagem externa do Chile.

Piñera anunciou paralelamente a oferta do governo espanhol, do socialista Pedro Sánchez, para sediar a COP, um grande evento internacional que pressupõe o deslocamento de até 25.000 delegados, entre membros de missões oficiais, ONGs e especialistas relacionados com o meio ambiente.

“Ontem conversei com o presidente da Espanha, Pedro Sánchez, que fez uma oferta generosa para organizar a cúpula da COP-25 em Madri, Espanha, nos mesmos dias em que estava programado para ocorrer no Chile; entre 2 e 13 de dezembro”, disse Piñera em uma mensagem no palácio presidencial.

O desafio logístico é considerável, mas Madri assegurou ter feito a proposta “em vista do curto prazo de que dispõe” e da “importância de garantir que a COP 25 se realize com normalidade”.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem