Mundo

Espanha, Irlanda e Noruega reconhecerão a Palestina como Estado

Em comunicado emitido logo após o anúncio, Israel diz que “não permanecerá calado” diante do reconhecimento da Palestina por países europeus

O primeiro-ministro da Irlanda, Simon Harris (C), ladeado pelo ministro das Relações Exteriores da Irlanda, Michel Martin (D) e pelo ministro dos Transportes da Irlanda, Eamon Ryan (E), faz um discurso durante uma conferência de imprensa, para reconhecer o estado da Palestina. O anúncio ocorreu em conjunto com Oslo e Madrid. “Hoje, a Irlanda, a Noruega e a Espanha anunciam que reconhecemos o estado da Palestina”, disse Harris à porta dos edifícios governamentais em Dublin. Foto: Paul FAITH / AFP
Apoie Siga-nos no

Espanha, Irlanda e Noruega anunciaram nesta quarta-feira (22) a decisão de reconhecer a Palestina como Estado a partir de 28 de maio, e esperam que outros países sigam o passo, diante do “perigo” que a solução de dois Estados enfrenta devido à guerra em Gaza.

O primeiro-ministro norueguês, Jonas Gahr Støre, foi o primeiro a anunciar a decisão, em Oslo, onde foram negociados os acordos, atualmente ignorados, que obrigavam israelenses e palestinos a aceitar uma coexistência pacífica entre dois Estados independentes.

Ao anunciar que o país reconhecerá o Estado palestino em 28 de maio, Støre fez um “forte apelo” para que outros países sigam o mesmo caminho.

O primeiro-ministro da Noruega, Jonas Gahr Store, ao lado do ministro das Relações Exteriores da Noruega, Espen Barth Eide, anuncia durante uma conferência de imprensa que a Noruega reconhece a Palestina como um estado independente a partir de 28 de maio, em Oslo.
Foto: Erik Flaaris Johansen / NTB / AFP

Depois de chamar o dia de “histórico e importante”, o primeiro-ministro da Irlanda, Simon Harris, fez o anúncio poucos minutos depois, no que foi seguido pelo chefe de Governo da Espanha, Pedro Sánchez, no Parlamento em Madri.

“É uma declaração inequívoca de apoio a uma solução de dois Estados como o único caminho crível para a paz e a segurança, para Israel e a Palestina, e para os seus povos”, afirmou o primeiro-ministro irlandês em Dublin.

O reconhecimento dos dois Estados é “a pedra angular sobre a qual a paz deve ser construída”, acrescentou.

“Hoje, afirmamos que reconhecemos o Estado de Israel, reconhecemos o seu direito de existir em paz e segurança dentro de fronteiras internacionalmente reconhecidas. Reconhecer o Estado da Palestina envia a mensagem de que existe uma alternativa viável ao niilismo do Hamas“, completou.

Em Madri, o primeiro-ministro Sánchez também falou sobre a decisão.

“O primeiro-ministro (israelense Benjamin) Netanyahu não tem um projeto de paz para a Palestina”, afirmou o socialista Sánchez, uma das vozes mais críticas dentro da União Europeia (UE) contra a operação militar iniciada por Israel após o ataque sem precedentes do Hamas em 7 de outubro.

“Lutar contra o grupo terrorista Hamas é legítimo e necessário (…) mas Netanyahu está gerando tanta dor e tanta destruição, e tanto ressentimento em Gaza e no resto da Palestina, que a solução de dois Estados está em perigo”, afirmou Sánchez.

Pedro Sanchez, o primeiro-ministro da Espanha, é aplaudido após anunciar que o país reconhecerá a Palestina como Estado.
Foto: Thomas COEX / AFP

Formalmente, a medida será adotada com um decreto que deve ser aprovado na próxima terça-feira, durante uma reunião do Conselho de Ministros espanhol.

Segundo uma contagem da Autoridade Palestina, 142 dos 193 Estados-membros da ONU expressaram apoio ao reconhecimento de um Estado palestino.

A iniciativa de Madri, Dublin e Oslo pode ser acompanhada por outros países europeus.

Em março, os governantes da Eslovênia e de Malta assinaram em Bruxelas um comunicado conjunto com Madri e Dublin, no qual expressavam o desejo de adotar a mesma medida.

O governo esloveno anunciou um decreto neste sentido em 9 de maio, com a intenção de enviá-lo ao Parlamento para aprovação até 13 de junho.

“Passos precipitados”

O governo de Israel reagiu rapidamente e convocou seus embaixadores na Noruega e na Irlanda para consultas.

“Hoje, eu envio uma mensagem forte à Irlanda e à Noruega: Israel não permanecerá calado diante disso”, afirmou o ministro das Relações Exteriores, Israel Katz, em um comunicado.

“Os passos precipitados dos dois países terão mais consequências graves”, acrescentou o chanceler israelense, que prometeu adotar uma medida similar caso a Espanha aderisse à iniciativa.

A Organização para a Libertação da Palestina (OLP), considerada internacionalmente a único representante legítima do povo palestino, considerou o reconhecimento do Estado Palestino por três países europeus como um “momento histórico, em que mundo livre triunfa pela verdade e pela justiça”.

Uma fonte do Hamas celebrou os anúncios de Espanha, Irlanda e Noruega e afirmou que estes foram possíveis graças à “corajosa resistência” do povo palestino.

“Vemos como um passo importante para afirmar o nosso direito à terra e ao estabelecimento de um Estado palestino com Jerusalém como capital”, afirmou o Hamas em um comunicado, em que faz um apelo aos “países de todo o mundo para que reconheçam (os seus) direitos nacionais legítimos”.

Israel prometeu “aniquilar” o Hamas e iniciou uma ofensiva em larga escala contra a Faixa de Gaza em represália ao ataque de 7 de outubro, que matou mais de 1.170 pessoas, a maioria civis, segundo um balanço da AFP baseado em dados divulgados pelas autoridades israelenses.

Das 252 pessoas sequestradas durante o ataque, 124 permanecem em Gaza, mas o Exército israelense acredita que 37 foram mortas.

Desde 7 de outubro, mais de 35.000 palestinos, a maioria civis, morreram na Faixa de Gaza em bombardeios e operações militares israelenses, segundo o Ministério da Saúde do Hamas, que governa Gaza.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo