Mundo

Eleito, Milei viaja aos EUA para apresentar plano econômico

O futuro presidente da Argentina visitará a comunidade judaica e terá encontro com assessor de Biden; reunião com FMI ficará a cargo de provável ministro da Economia

O presidente da Argentina, Javier Milei. Foto: Juan Mabromata/AFP/Getty Image
Apoie Siga-nos no

Enquanto se prepara para assumir a Casa Rosada no próximo dia 10 de dezembro, o presidente eleito da Argentina, Javier Milei, escolheu os Estados Unidos como destino para a sua primeira viagem internacional após o pleito eleitoral.

Segundo interlocutores da coalizão La Libertad Avanza, de Milei, a viagem, que teve início ontem e deve ser encerrada nesta terça-feira 28, tem como objetivo “explicar o plano econômico” do novo presidente, especialmente para membros do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Antes das reuniões de caráter político e econômico, porém, Milei visitou, em Nova York, a tumba do líder judaico Menachem Mendel Schneerson. O local, conhecido como Ohel, é um dos mais importantes para a comunidade judaica internacional. 

Ainda ontem, também em Nova York, Milei participou de reuniões com o ex-presidente norte-americano Bill Clinton e o ex-senador Chris Dodd, do partido Democrata. Dodd, aliás, é um dos representantes do governo Joe Biden para a América Latina.

Já nesta terça-feira 28, Milei voou para a capital dos EUA, Washington, onde se reunirá com Jake Sullivan, um dos principais assessores do atual mandatário do país norte-americano. Havia uma expectativa sobre se Milei poderia se reunir com membros do FIM e do Tesouro norte-americano, mas, a princípio, o encontro com agentes econômicos não acontecerá.

Outro nome de peso que não consta na lista de visitas de Milei é o próprio presidente dos EUA, Joe Biden. Segundo o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, John Kirby, Biden já tinha compromissos marcados no estado do Colorado e da Geórgia, o que inviabilizou o encontro. 

“Lamentavelmente, o presidente [Biden] não poderá encontrar-se com Milei porque vai estar viajando pelo país. Mas, desde já, queremos seguir buscando formas de colaborar com a Argentina“, afirmou Kirby. “A Argentina é um sócio dinâmico neste continente para muitos assuntos. Temos muitos desejos de escutar as ideias do presidente eleito”, disse o porta-voz, ressaltando que pretende manter “abertas as linhas de comunicação”. A título de contextualização, não é comum que o presidente dos EUA receba um presidente eleito de outro país.

A frente econômica da comitiva de Milei nos EUA, por sua vez, ficou a cargo de Luis Caputo, principal cotado para assumir o ministério da Economia da Argentina no governo Milei. 

Caputo já foi secretário de Finanças durante o governo o governo ex-presidente Mauricio Macri. Desde semana passada, ele vem mantendo reuniões com empresários da Argentina, a fim de alinhar os principais pontos da construção do plano econômico de Milei. Ele é tio de Santiago Caputo, o principal assessor e estrategista político de Milei, que também está nos EUA.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.