Diretora da OMS: prioridade é vacinar quem pode morrer, não quem pode pagar

A médica brasileira Mariângela Simão se diz surpresa com a busca da rede privada por uma vacina contra a Covid-19. 'É um problema ético'

Foto: Unaids

Foto: Unaids

Mundo,Saúde

Quase um ano depois da descoberta do coronavírus, a médica brasileira Mariângela Simão, diretora-assistente de Acesso a Medicamentos, Vacinas e Produtos Farmacêuticos da Organização Mundial da Saúde, enfrenta uma nova fase de um enorme desafio: orientar a distribuição global de bilhões de doses de imunizantes.

A prioridade deste ano, destaca, é proteger as pessoas que correr mais riscos de adoecer e morrer pela Covid-19: idosos, profissionais de saúde, dentre outros. “Na imensa maioria dos países, os critérios são esses. Não a capacidade de pagar.”

Por isso, ela com a notícia de que a rede privada brasileira estaria negociando a compra de de 5 milhões de doses de vacinas. Por enquanto, com a fabricante indiana Barat Biotech. “Os grandes produtores de vacina tem priorizado as compras governamentais. E mesmo países que possuem sistemas privados de saúde, a compra é feita pelo governo.”

A expectativa da OMS é que, por meio do consórcio Covax Facility, sejam distribuídas aos países 2 bilhões de doses ao longo do ano.

Mas, mais que distribuir, é preciso de fato vacinar. Nesta conversa com CartaCapital, ela fala dos desafios globais nessa seara.

Confira a seguir.

CartaCapital: Porque é ruim a aquisição privada de vacinas?

Mariângela Simão: Esse é um problema ético e moral. Nesse período, onde mais do que nunca as desigualdades se acentuaram, é importante que o acesso seja justo e equitativo. Tem que vacinar primeiro quem tem mais riscos de adoecer e de morrer. Na imensa maioria dos países, os critérios são esses. Não a capacidade de pagar. É importante ter consciência de que é necessário proteger os vulneráveis.

CC: Alguns analistas veem o Brasil isolado nessa busca. É isso mesmo?

MS: Não estamos observando essa preocupação em outros países. Até porque os grandes produtores de vacina tem priorizado as compras governamentais. Mesmo países que possuem sistemas privados de saúde, a compra é feita pelo governo, e disponibilização é feita conforme os critérios pré-estabelecidos pelos comitês de cada país.Não pelo setor privado. O Brasil tem os seus, os Estados Unidos, a Suíça idem.

Não vou dizer que é típico do Brasil, mas a controvérsia por enquanto é local. Fiquei muito surpresa.

CC: Há também quem invoque a economia: vacinar a população mais jovem facilitaria a retomada. Faz sentido?

MS: Essa discussão ocorreu bastante nesses últimos nove meses. É um argumento complicado. Com a quantidade de vacinas produzidas agora, é impossível proteger toda a sociedade. E a população mais jovem é gigantesca, muito maior que a dos grupos mais suscetíveis a adoecer e morrer. É uma questão de colocar quais os objetivos desse primeiro ano de vacinação.

CC: Qual a expectativa do calendário da OMS?

MS: A expectativa é, por meio do Covax Facility [consórcio coordenado pela OMS para distribuir vacinas em desenvolvimento], distribuir 2 bilhões de doses. O que equivale a vacinar um bilhão de pessoas. A justificativa pra isso está baseada em reduzir mortalidade e atravessar a fase aguda da pandemia, diminuir a pressão sobre o sistema de saúde. À medida que se tem mais fases de produção, ampliam-se as faixas etárias. A maioria dos países já está fazendo isso.

Estamos falando de passar pela fase aguda dessa pandemia, diminuindo a gravidade da doença e evitando as mortes. Isso tem impacto na economia.

CC: Há riscos de um apagão de insumos?

MS: De apagão, não. Mas há riscos. Para aumentar a capacidade de produção das vacinas, é preciso ter frascos. Bilhões deles. Tem que ter o ingrediente farmacêutico ativo.

Ali tem produtos químicos, biológicos, várias coisas… No caso da vacina da Pfizer, que é uma vacina muito complexa, é preciso ainda um diluente que não vem com a vacina, é preciso uma agulha diferente.

Os países, a Unicef e a própria OMS já estavam fazendo compras adiantadas, esperando que haveria necessidade. Durante toda as etapas há possíveis gargalos, da produção à aplicação. A demanda é que vai dizer.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editora-executiva do site de CartaCapital

Compartilhar postagem