Mundo

assine e leia

Crime de guerra

Três autoridades da Síria enfrentam julgamento histórico em Paris pela morte de dois cidadãos franco-sírios

Assad foi reabilitado no mundo árabe nos últimos 12 meses – Imagem: Presidência da Síria/Gabinete de Segurança Interna
Apoie Siga-nos no

À meia-noite de 3 de novembro de 2013, cinco oficiais sírios arrancaram o estudante de Artes e Ciências Sociais Patrick Dabbagh, de 20 anos, de sua casa no bairro de Mezzeh, em Damasco. No dia seguinte, na mesma hora, os mesmos homens, incluindo um representante da unidade de inteligência da força aérea síria, retornaram com mais de dez soldados para prender o pai do jovem, Mazzen. Eles acusaram o conselheiro educacional de 48 anos do liceu francês da cidade de não ter criado seu filho adequadamente. “Vamos ensinar você a educá-lo”, disseram, sem esclarecer o motivo da prisão.

Seria a última vez que alguém da família os veria. Quase cinco anos após a detenção, ainda não havia qualquer informação sobre o paradeiro dos cidadãos franco-sírios. Nada até julho de 2018, quando as autoridades emitiram certificados declarando que Patrick Dabbagh tinha morrido em janeiro de 2014 e ­Mazzen Dabbagh, em novembro de 2017. Nenhuma causa de morte foi informada, e os corpos não foram devolvidos à família.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo