Covid-19: Rússia registra segunda vacina contra coronavírus

Presidente Vladimir Putin anunciou, também, um terceiro imunizante em fase de produção

O presidente da Rússia, Vladimir Putin. Foto: Alexey DRUZHININ/SPUTNIK/AFP

O presidente da Rússia, Vladimir Putin. Foto: Alexey DRUZHININ/SPUTNIK/AFP

Mundo

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou nesta quarta-feira 14 que o país concedeu aprovação regulatória para uma segunda vacina contra a Covid-19.

 

 

 

O imunizante, chamado de EpiVakCorona, foi desenvolvido pelo Vector Institute, da Sibéria, e ainda está na fase preliminar dos testes clínicos.

“Gostaria de começar com uma agradável informação: o Centro Vektor de Novossibirsk registrou hoje [14] a segunda vacina russa contra o coronavírus, a EpiVakCorona”, declarou Putin segundo a agência Sputinik.

Na ocasião, o presidente também afirmou que “até onde eu seu, estamos com a terceira vacina, [criada pelo] Centro de Pesquisas e Desenvolvimento de Medicamentos Imunobiológicos M. P. Chumakova da Academia de Ciências da Rússia a caminho”.

A vice primeira-ministra russa, Tatiana Golikova, informou que a vacina é caracterizada pela ausência de reatogenicidade (capacidade de gerar reação adversa ou colateral) e pelo “nível suficientemente alto de segurança”.

“As primeiras parcelas da vacina em um volume de 60 mil doses serão produzidas em breve. E o Vektor iniciará os testes clínicos pós-registro em diferentes regiões da Rússia com a participação de 40 mil voluntários”, disse.

“Nós precisamos aumentar agora a produção da nossa primeira vacina, e da segunda vacina. E, obviamente, antes de tudo, é necessário abastecer o mercado russo com tais medicamentos: eles devem entrar nas cadeias de farmácia da Rússia, o mais amplamente possível”, completou Putin.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem