Johnson & Johnson suspende testes de vacina contra o coronavírus

Fase 3 do estudo começou a recrutar voluntários no final de setembro com meta de inscrever até 60 mil participantes

Foto: Cottonbro / Creative Commons / Pexels

Foto: Cottonbro / Creative Commons / Pexels

Mundo

A americana Johnson & Johnson informou na segunda-feira 12 que suspendeu temporariamente seu ensaio clínico da vacina contra a Covid-19 porque um de seus participantes ficou doente.

 

 

 

“Interrompemos temporariamente a administração de novas doses em todos os nossos ensaios clínicos da vacina Covid-19, incluindo o ensaio ENSEMBLE de fase 3, devido a uma doença inexplicada em um participante do estudo”, afirmou a empresa em um comunicado.

A pausa significa que o sistema de inscrição online foi fechado para o ensaio clínico de 60 mil pacientes, enquanto o comitê independente de segurança do paciente é convocado.

A J&J informou que efeitos adversos sérios eram “uma parte esperada de qualquer ensaio clínico, especialmente um grande”.

Com base nas diretrizes da empresa, um estudo pode ser interrompido para determinar se o efeito adverso foi provocado pelo medicamento em questão e se o estudo pode ser retomado.

 

Testes com a vacina da Johnson & Johnson 

A fase 3 do estudo da Johnson & Johnson começou a recrutar voluntários no final de setembro. A meta era inscrever até 60 mil participantes em mais de 200 localidades nos Estados Unidos e em todo o mundo.

Outros países envolvidos nos testes são Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México, Peru e África do Sul.

J&J é o décimo laboratório a nível global com testes em fase 3 contra a Covid-19, o quarto nos Estados Unidos.

A empresa recebeu 1,45 bilhão de dólares do governo americano, parte de uma iniciativa para o desenvolvimento de uma vacina contra o vírus que matou quase 215.000 pessoas no país.

 

Adenovírus modificado e fragmento do coronavírus 

A vacina é baseada em apenas uma dose de um adenovírus que provoca a gripe, modificado para que não se replique, combinado com uma parte do novo coronavírus que usa para invadir as células humanas.

J&J usou a mesma tecnologia para sua vacina contra o ebola, aprovada para comercialização pela Comissão Europeia em julho.

Testes em macacos que foram publicadas na revista científica Nature mostraram que a vacina criava uma proteção completa ou quase completa contra uma infecção vírus nos pulmões e nariz.

 

Vacina de Oxford também causou reação

No começo de setembro a fase 3 da vacina de Oxford e Astrazaneca também foi interrompida. Um dos voluntários apresentou reação adversa após ser imunizado.

A equipe retomou os testes dias depois no Reino Unido. O Brasil, que também participa dos ensaios clínicos em acordo com a Fiocruz, foi autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a retomar a imunização de voluntários.

O acordo sobre a vacina de Oxford prevê transferência de tecnologia e produção de 100 milhões de doses da vacina contra a Covid-19 para os brasileiros.

O governo do presidente Jair Bolsonaro aposta na pesquisa. O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, chegou a dizer na terça-feira 08 que a partir de janeiro começaria a campanha de vacinação contra o coronavírus.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem