Mundo

Com 4,5 mil mortes em 24h, Trump apresenta plano para ‘reabrir’ EUA gradualmente

O presidente americano utilizou a economia como argumento para propor a flexibilização do isolamento no país

Presidente dos EUA, Donald Trump. Foto: AFP
Presidente dos EUA, Donald Trump. Foto: AFP

O presidente Donald Trump recomendou, nesta quinta-feira 16, um plano para “reabrir” os Estados Unidos gradualmente, depois que as restrições à contenção do coronavírus causaram um duro golpe à economia e aumentaram o desemprego.

“De acordo com os dados mais recentes, nossa equipe de especialistas agora concorda que podemos iniciar uma nova frente nesta guerra, que chamaremos de ‘reabertura dos Estados Unidos'”, disse Trump.

O país registrou nas últimas 24 horas o recorde de 4.491 mortes pelo novo coronavírus, segundo a contagem em tempo real da Universidade Johns Hopkins. De acordo com a instituição, o país ultrapassou a marca de 33 mil vítimas da covid-19.

 

Em uma coletiva de imprensa na Casa Branca, Trump afirmou que manter as restrições “não é uma solução sustentável a longo prazo” e que sua administração emitirá um guia para dar aos governadores poder de decisão, dependendo do número de casos.

“Nossa abordagem delineará três fases para restaurar nossa vida econômica. Não vamos reabrir uma vez, mas em um cuidadoso processo passo a passo, e alguns estados poderão abrir antes de outros”, afirmou o presidente.

Desde meados de março, mais de 22 milhões de pessoas solicitaram auxílio-desemprego e, de acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), a economia americana vai recuar 5,9% em 2020.

Trump garantiu que os governadores e não a Casa Branca serão responsáveis por tomar a decisão.  “Se eles precisarem permanecer fechados, permitiremos que o façam. Se acharem que é hora de reabrir, daremos a eles a liberdade e a orientação necessárias”, declarou.

Segundo o presidente, o estados menos densamente povoados, onde o coronavírus não é um problema, podem reabrir suas economias “literalmente amanhã”.  “Você está falando daqueles estados que já estão em ótima forma? Eles poderão abrir literalmente amanhã”, disse.

Em outros comentários, Trump citou a situação de Dakota do Norte, Montana e Wyoming como “muito diferente” de estados mais atingidos como Nova York.

O presidente do Federal Reserve de Nova York, John Williams, disse na quinta-feira que “provavelmente levará um ano ou dois, alguns anos, para que a economia americana recupere sua força total”.

Anthony Fauci, principal consultor médico da Casa Branca para a crise da COVID-19, disse que esse plano visa “voltar ao normal”, mas explicou que os Estados Unidos são um país muito grande, com dinâmicas diferentes.  “Se houver uma recaída, talvez tenhamos que voltar”, disse o médico.

Segundo o plano, apresentado previamente aos governadores, Trump tentará o retorno gradual da população ao espaço público, mas sem fixar uma data.

Dependendo da região e do nível de contágio, as pessoas poderão voltar a eventos públicos e a realizar viagens.

Mas inclusive na terceira e última fase do plano, que a assessora científica do governo Deborah Birx chamou de “nova normalidade”, a Casa Branca seguirá recomendando medidas de higiene adicionais.

Também haverá diretrizes para se enfrentar um eventual retorno da epidemia.

O governador de Nova York, Andrew Cuomo, disse nesta quinta que o estado ficará em quarentena até 15 de maio, mas declarou que o “controle da besta” foi alcançado.

“Diminuímos a taxa de contágio” graças à quarentena generalizada promulgada há um mês, afirmou Cuomo em entrevista coletiva.

O coronavírus deixou 11.580 mortes em seu estado, o foco principal da epidemia.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!