Mundo

Cinema argentino ganha prêmio em Cannes e ergue a voz contra os cortes de Milei

‘O governo embarcou em uma cruzada contra a cultura, a ciência e a educação’, disseram os profissionais do cinema argentino em um comício

Foto: Divulgação
Apoie Siga-nos no

O filme Simón de la montaña, do cineasta argentino Federico Luis, levou o prêmio da Semana da Crítica do Festival de Cinema de Cannes, onde diretores do país presentes na competição criticam os cortes na cultura feitos pelo presidente ultraliberal Javier Milei.

O primeiro longa-metragem de Federico Luis, sobre a amizade que Simón (interpretado pelo ator Lorenzo “Toto” Ferro) estabelece com um grupo de pessoas com deficiência intelectual, foi o grande vencedor desta seção paralela que premia jovens talentos da indústria cinematográfica.

Simón de la montaña é uma das sete produções argentinas nesta edição do festival em suas várias seções, o maior contingente latino-americano deste ano.

Mas o evento acontece em um contexto difícil no país, imerso em uma grave crise econômica que o governo de Milei quer enfrentar reduzindo os gastos do Estado.

No caso do cinema, um corte severo foi imposto à instituição que o promove – o INCAA -, com a suspensão de programas de apoio, a demissão de mais de um quarto de seus funcionários e a interrupção do recebimento de projetos por 90 dias.

“O governo embarcou em uma cruzada contra a cultura, a ciência e a educação”, disseram os profissionais do cinema argentino em um comício em Cannes no domingo, onde exibiram uma faixa gigante com o slogan “Cine Argentino Unido”.

“A indústria cinematográfica não é apenas uma questão econômica. Dada a importância mínima dos cortes propostos para as finanças públicas, só podemos pensar que essas ações são um ataque ideológico”, acrescentaram.

“Arma patriótica”

Os organizadores do festival criticaram desde o início esses cortes e apoiaram a causa dos profissionais.

O delegado-geral do festival, Thierry Frémaux, defendeu o cinema como uma “arma patriótica” que pode melhorar a cultura de um país e comparou “a difícil situação” da indústria cinematográfica argentina com a boa tendência do setor no Brasil.

A Quinzena dos Diretores, uma seção paralela com foco em novos talentos, também apoiou o cinema argentino, “hoje em perigo, embora esteja repleto de cineastas únicos e empolgantes”.

É exatamente nessa seção que Hernán Rosselli participa com Algo viejo, algo nuevo, algo prestado, um filme que foi aplaudido pela crítica.

“Estamos orgulhosos de como funciona a lei do cinema e como funciona a promoção na Argentina, que é realmente única na América Latina”, disse o diretor à AFP.

“Tanto a educação pública quanto o funcionamento da lei do cinema possibilitam que a Argentina tenha um cinema muito heterogêneo, um cinema de classe média e de classe trabalhadora”, diz ele, acrescentando que no Chile, no Brasil e no México “o acesso ao cinema é geralmente mais elitista”, em sua opinião.

Os profissionais do setor insistem que a indústria cinematográfica é uma fonte de trabalho para muitas pessoas e criticam o discurso do governo que, segundo eles, classifica os artistas como “parasitas do Estado”, como denunciou recentemente a atriz Cecilia Roth.

“A primeira coisa que eles decidem cortar tem a ver com a cultura, e a cultura representa um país, a cultura também é uma indústria e há uma indústria cultural que gera empregos e sustenta famílias inteiras”, diz Iair Said, cujo filme Sundays More People Die está incluído na seção ACID, de Cannes.

Futuro sombrio

Essas medidas terão, acima de tudo, grande impacto sobre a futura produção cinematográfica do país.

Segundo Rosselli, 2024 “é um ano perdido para o cinema argentino porque, durante a primeira parte do ano, o INCAA ficou completamente paralisado”.

“Os filmes continuarão a ser feitos com muito esforço, porque os cineastas não deixarão de filmar, mas a indústria cinematográfica, o trabalho no cinema, sofrerá muito”, reitera.

“É muito provável que os festivais de cinema dos próximos anos tenham pouca ou nenhuma representação argentina”, de acordo com os profissionais que se manifestaram em Cannes.

“Este é o momento crucial em que você tem que levantar a cabeça e lutar com o dobro de esperança, porque quando há um grande inimigo na sua frente, o desejo de lutar se torna muito grande”, diz o ator Lorenzo Ferro, protagonista de Simón de la montaña.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo