Mundo

Ciclista negro é morto a tiros pela polícia e gera nova onda de protestos nos EUA

Rapaz de 29 anos foi morto por uma suposta violação de trânsito

Protestos antirracistas nos Estados Unidos. Foto: AFP.
Protestos antirracistas nos Estados Unidos. Foto: AFP.

Protestos de rua foram convocados para esta terça-feira 1 em Los Angeles depois que policiais mataram um homem negro.

 

A vítima, identificada como Dijon Kizzee, 29 anos, andava de bicicleta na tarde da última segunda-feira 31 em um bairro ao sul da cidade, quando policiais tentaram detê-lo por uma suposta violação de trânsito.

Segundo as autoridades, o homem “fugiu correndo” deixando sua bicicleta para trás e, quando os policiais conseguiram prendê-lo, ele acertou um deles no rosto.

Nesse momento, deixou cair várias peças de roupa que carregava consigo.

“Os policiais notaram que dentro da pilha de roupas havia uma pistola semiautomática preta”, informou em coletiva de imprensa o tenente Brandon Dean, do gabinete do xerife do Condado de Los Angeles.

Esse foi o momento em que os agentes dispararam. O homem, alvejado por várias balas, morreu no local.

As autoridades não especificaram se o homem estava procurando sua arma quando recebeu os disparos. Dean informou que foi aberta uma investigação sobre o caso.

Testemunha tentou impedir

Deja, uma mulher que testemunhou o tiroteio, mas deu apenas seu primeiro nome, disse à AFP que gritou “não atirem, não atirem” enquanto os policiais tentavam prender Kizzee, que morava em seu bairro.

“Eles estavam tentando pegá-lo e pegar suas coisas e, finalmente, quando não conseguiram, ele se virou para correr e foi atingido por uma descarga de taser (pistola elétrica) na parte de trás da perna”, disse Deja. “Ele se virou e atiraram nele”, contou.

Deja afirmou que os policiais algemaram Kizzee antes que ele fosse declarado morto.

Vidas negras importam

Cem pessoas se reuniram no local na segunda  para exigir justiça, segurando faixas “Vidas negras importam” e gritando “Sem justiça não haverá paz”.

Um pequeno grupo voltou a se reunir no bairro na terça para uma manifestação pacífica.

Algumas pessoas exibiam uma faixa com a frase: “Parem os policiais assassinos”.

Os Estados Unidos têm sido palco de uma onda de protestos antirracistas após a morte de George Floyd em maio, um homem negro sufocado pelos joelhos de um policial branco em Minneapolis.

As manifestações voltaram a ganhar força na semana passada depois que outro policial branco disparou sete vezes contra um homem negro, Jacob Blake, em Kenosha, Wisconsin.

Em sua passagem por Kenosha, Trump não visitou a família de Jacob Blake, que ficou paraplégico em um novo aparente caso de abuso policial.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!