Mundo

Casal de missionários dos EUA é assassinado no Haiti

A Casa Branca pediu o rápido envio ao país de uma missão internacional liderada pelo Quênia

Davy e Natalie Lloyd. Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

Um casal de missionários americanos foi assassinado no Haiti, junto com outro religioso, em um ataque de gangues criminosas, anunciaram nesta sexta-feira 24 seus familiares e a organização à qual pertenciam.

A Missions in Haiti, uma organização sem fins lucrativos com sede em Oklahoma, fundada em 2000, informou que Davy e Natalie Lloyd e um terceiro missionário foram mortos a tiros por membros de gangues na noite da quinta-feira 23.

A terceira vítima foi identificada por vários meios de comunicação americanos como Jude Montis, o diretor haitiano do grupo religioso.

“Davy, Natalie e Jude foram mortos a tiros por uma gangue por volta das 21h”, informou a organização em sua página no Facebook. “Estamos devastados.”

Ben Baker, membro da Câmara dos Representantes do Missouri, confirmou que sua filha Natalie e seu genro haviam morrido. “Eles foram atacados por gangues esta noite e ambos foram mortos”, escreveu ele no Facebook.

Em reação ao ataque, a Casa Branca pediu o rápido envio ao Haiti de uma missão internacional liderada pelo Quênia.

“A situação de segurança no Haiti não pode esperar”, disse um porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, observando que o presidente Joe Biden se comprometeu a apoiar o “envio urgente” da força, durante conversas com o mandatário queniano na quinta-feira.

“Nossos corações estão com as famílias dos assassinados que sofrem uma dor inimaginável”, acrescentou o porta-voz.

Um porta-voz do secretário-geral da ONU, António Guterres, também expressou as suas condolências e disse que o crime é “apenas mais um exemplo da violência que não poupa ninguém no Haiti”.

O presidente do Quênia, William Ruto, prometeu, durante sua visita de Estado a Washington, que a missão terá o objetivo de acabar com as gangues do Haiti, o país mais pobre das Américas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo