Bolsonaro diz ter ‘afinidade’ com polêmico príncipe da Arábia Saudita

Mohammed bin Salman é acusado pela ONU de estar envolvido no assassinato de um jornalista do Washington Post

Presidente Jair Bolsonaro junto com o  príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, outro integrante da lista de 'predadores da liberdade de imprensa'.
Foto: PR

Presidente Jair Bolsonaro junto com o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, outro integrante da lista de 'predadores da liberdade de imprensa'. Foto: PR

Mundo

O presidente Jair Bolsonaro está na Arábia Saudita para um encontro com o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman. Em entrevista coletiva antes da reunião desta terça-feira 29, o pesselista afirmou que tem uma certa afinidade com Salman.

“Tem uma certa afinidade entre nós dois, desde o último encontro em Osaka (na reunião do G20). Acredito que vai ser uma tarde bastante proveitosa”, completou Bolsonaro.

Mohammed acumula as posições de ministro da Defesa, vice-primeiro ministro e herdeiro do trono saudita. Ele é suspeito de estar envolvido no assassinato do jornalista  do Washington Post, Jamal Khashoggi, visto pela última vez com vida dentro da embaixada saudita na Turquia. Seu corpo foi desmembrado e removido do prédio e seus restos mortais não foram encontrados.

Em junho deste ano, a ONU divulgou um relatório em que diz ter encontrado “provas confiáveis” do envolvimento do príncipe herdeiro na morte do colunista do jornal “Washington Post”, classificando o crime como um “um assassinato extrajudicial pelo qual o Estado da Arábia Saudita é responsável sob a lei internacional dos direitos humanos”.

Nesta segunda-feira (28), Bolsonaro participou de um jantar com o príncipe saudita e nesta terça-feira (29) deverá voltar a se encontrar com Salman para uma reunião de negócios.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem