Bolívia fecha a fronteira com o Brasil devido à pandemia

A medida entrará em vigor à meia noite e deve ter duração mínima de uma semana

Foto: AIZAR RALDES / AFP

Foto: AIZAR RALDES / AFP

Mundo,Saúde

O presidente da Bolívia, Luis Arce, anunciou nesta quinta-feira 1 a decisão de fechar as fronteiras do país com o Brasil devido à variante brasileira P1.

A medida entrará em vigor à meia noite e deve ter duração mínima de uma semana.

“No marco das medidas para proteger a população, instruímos o fechamento temporário das fronteiras com o Brasil, por sete dias. Os Ministérios da Saúde, do Governo da Bolívia e das Relações Exteriores providenciarão o fechamento temporário de outros pontos, com base na situação epidemiológica”, disse o presidente, pelas redes sociais.

 

 

Aceleração da vacinação

Na terça-feira 30, o presidente afirmou que o país vai acelerar a vacinação contra a Covid-19 nas cidades fronteiriças com o Brasil.

“Instruímos o Ministério da Saúde a proceder com a vacinação de todas as populações fronteiriças do país, a começar por essas, que são as populações mais expostas [e] que são vizinhas ao Brasil”, disse o presidente durante um ato oficial.

“Não estamos isentos do fato de que pode haver uma cepa, um vírus que está sendo gerado e reproduzido sem controle, por isso temos que tomar as precauções”, disse o governante.

A vacinação começou há algumas semanas nas cidades e estava planejada para se espalhar gradualmente para as áreas rurais, mas o governo decidiu dar prioridade às cidades fronteiriças.

Os serviços de saúde estão atentos aos relatos do surgimento de uma nova cepa do vírus no Brasil, embora o Ministério da Saúde não tenha confirmado sua presença.

Bolívia e Brasil compartilham uma fronteira de cerca de 3.400 quilômetros e três de seus nove departamentos (Santa Cruz, Beni e Pando) fazem fronteira com estados brasileiros.

A imprensa da fronteira boliviana nos departamentos de Beni (nordeste) e Pando (norte) reportou um aumento incomum nas infecções por covid-19 nos últimos dias, embora o governo não tenha associado isso à nova cepa brasileira.

A Bolívia, com 11,5 milhões de habitantes, registra 270.347 infecções e 12.211 mortes. O país notificou 719 novos casos na segunda-feira, dos quais 38,8% em Santa Cruz, 16,5% em Beni e 2,8% em Pando.

O país recebeu nesta terça-feira uma nova remessa de 200 mil vacinas chinesas da Sinopharm, além das 740 mil que chegaram desde janeiro da russa Sputnik V, da britânica AstraZeneca e da mesma marca chinesa.

O governo afirma ter comprado um total de 15,2 milhões de doses e espera sua chegada gradativa nos próximos meses.

A vacinação começou em fevereiro com profissionais de saúde e a população com patologias de risco como prioridades.

(Com informações da AFP)

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem